AIDA não confirma regresso dos navios em março

A companhia alemã AIDA Cruises está vender para o final do próximo mês de março cruzeiros pelas ilhas Canárias, com ligação à ilha da Madeira, mas ainda não é certo que as viagens venham mesmo a ocorrer. “Devido a muitos fatores, não podemos dizer quando ocorrerá o nosso reinício”, informou ao JM Frau Nissel, do gabinete de imprensa da companhia germânica.O JM contactou a sede da companhia na Alemanha e perguntou quando a temporada iria ter início e como funcionariam as condições de segurança da própria companhia, além também de questionar como se estava a preparar logisticamente para responder às diferentes exigências que os países estão a impor.Em resposta ao nosso pedido de informação, o gabinete de comunicação da AIDA não se comprometeu com uma data para o início da temporada, e recomendou que visitássemos o site da companhia "para obter mais informações durante este período”.E foi o que fizemos. Numa pesquisa sobre a passagem dos navios AIDA pela Madeira encontrámos quatro cruzeiros à venda antes do verão.O site está a vender dois cruzeiros de sete dias no navio AIDAperla pelas ilhas Canárias, com ligações à ilha da Madeira a 22 e a 29 de março. Por seu turno, o AIDAmar tem planeado um cruzeiro de sete dias no arquipélago vizinho, a partir de 21 de março, e com escala na Madeira a 23 e 24 de março.Há ainda à venda antes do verão um cruzeiro de 14 dias com ligação à Madeira, no AIDAmar, que começa em Grã-Canária a 18 de abril, passa pela Madeira a 21, seguindo rumo para Lisboa, Porto, Corunha, Cherbourg, Roterdão e terminando em Warnemünde, na Alemanha, a 2 de maio.Fontes contactadas pelo JM explicam que esta aparente contradição entre não estar prevista a data do início da temporada e a venda destas viagens para daqui a um mês - e por um preço superior a mil euros para duas pessoas - decorre da incerteza do momento pandémico que estamos a atravessar.Sem saber até quando os países continuarão fechados, as companhias arriscam colocar à venda as passagens até à data prevista para o fim do confinamento. Porém, como os países têm renovado os confinamentos gerais, as companhias acabam por reprogramar as viagens ou ressarcir os seus clientes do valor pago, havendo casos em que são dados benefícios como gesto para compensar o incómodo causado.Contam-nos ainda que tem sido assim nos últimos meses, por o calendário do regresso dos cruzeiros estar a ser sucessivamente adiado.A explicação é coincidente com a resposta que Martina Reuter, relações públicas da AIDA Cruises, nos enviou, num outro email que JM remeteu para a companhia alemã.“O governo federal alemão estendeu o bloqueio para conter a pandemia até março de 2021. Muitos dos destinos de cruzeiros da AIDA também implementaram medidas que restringem significativamente as viagens internacionais de férias até ao início da primavera. Portanto, a AIDA Cruises planeia abrir a sua temporada de cruzeiros de 2021 começando a 20 de março com a AIDAperla nas Ilhas Canárias”, informou.A relações públicas acrescenta que “todos os cruzeiros serão realizados em conformidade com os extensos protocolos de saúde e segurança da AIDA, bem como com as leis e regulamentos nacionais e locais para proteção contra infeções”.2022 tem já previstas 219 escalasSe as previsões para 2022 se confirmarem, o que é provável face às estimativas de a imunidade de grupo ser alcançada em muitos países este verão, o próximo ano pode ser bem movimentado no porto do Funchal.A esta distância, já estão agendadas 219 escalas para o próximo ano, o que é um bom indicador, atendendo à distância do fim de 2021 e ao facto de muitas companhias ainda não terem feito as suas reservas.Esta será uma retoma que o setor aguarda com expectativa, depois das quebras acentuadas em 2020, ano em que houve apenas 69 escalas no porto do Funchal (-63,87%), correspondendo a uma quebra de passageiros de 62,26%.De referir ainda que até ao final de 2021 estão previstas, neste momento, 131 escalas no Funchal.Saúde e segurança são “a maior prioridade”Frau Nissel, do gabinete de imprensa da companhia AIDA, disse ao JM que a pandemia está a apresentar “desafios sem precedentes” às pessoas, economias e empresas, mas que a “maior prioridade” da companhia alemã é garantir a “saúde e segurança” dos passageiros e da tripulação.“A disseminação mundial do coronavírus atualmente apresenta desafios sem precedentes para pessoas, economias e empresas. Desenvolvemos um conceito abrangente de higiene e segurança para a retoma das viagens. A saúde e segurança de nossos hóspedes e tripulação é nossa maior prioridade”, sublinhou.Frau Nissel explica ainda que o “conceito de saúde” na empresa é “abrangente e as medidas e processos foram desenvolvidos sob as mais estritas condições, em cooperação com especialistas médicos, sendo baseados nas recomendações atuais de instituições líderes como a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Instituto Robert Koch (RKI) , bem como os regulamentos aplicáveis ​​na Alemanha e nos destinos” para onde viajam os navi

AIDA não confirma regresso dos navios em março
A companhia alemã AIDA Cruises está vender para o final do próximo mês de março cruzeiros pelas ilhas Canárias, com ligação à ilha da Madeira, mas ainda não é certo que as viagens venham mesmo a ocorrer. “Devido a muitos fatores, não podemos dizer quando ocorrerá o nosso reinício”, informou ao JM Frau Nissel, do gabinete de imprensa da companhia germânica.O JM contactou a sede da companhia na Alemanha e perguntou quando a temporada iria ter início e como funcionariam as condições de segurança da própria companhia, além também de questionar como se estava a preparar logisticamente para responder às diferentes exigências que os países estão a impor.Em resposta ao nosso pedido de informação, o gabinete de comunicação da AIDA não se comprometeu com uma data para o início da temporada, e recomendou que visitássemos o site da companhia "para obter mais informações durante este período”.E foi o que fizemos. Numa pesquisa sobre a passagem dos navios AIDA pela Madeira encontrámos quatro cruzeiros à venda antes do verão.O site está a vender dois cruzeiros de sete dias no navio AIDAperla pelas ilhas Canárias, com ligações à ilha da Madeira a 22 e a 29 de março. Por seu turno, o AIDAmar tem planeado um cruzeiro de sete dias no arquipélago vizinho, a partir de 21 de março, e com escala na Madeira a 23 e 24 de março.Há ainda à venda antes do verão um cruzeiro de 14 dias com ligação à Madeira, no AIDAmar, que começa em Grã-Canária a 18 de abril, passa pela Madeira a 21, seguindo rumo para Lisboa, Porto, Corunha, Cherbourg, Roterdão e terminando em Warnemünde, na Alemanha, a 2 de maio.Fontes contactadas pelo JM explicam que esta aparente contradição entre não estar prevista a data do início da temporada e a venda destas viagens para daqui a um mês - e por um preço superior a mil euros para duas pessoas - decorre da incerteza do momento pandémico que estamos a atravessar.Sem saber até quando os países continuarão fechados, as companhias arriscam colocar à venda as passagens até à data prevista para o fim do confinamento. Porém, como os países têm renovado os confinamentos gerais, as companhias acabam por reprogramar as viagens ou ressarcir os seus clientes do valor pago, havendo casos em que são dados benefícios como gesto para compensar o incómodo causado.Contam-nos ainda que tem sido assim nos últimos meses, por o calendário do regresso dos cruzeiros estar a ser sucessivamente adiado.A explicação é coincidente com a resposta que Martina Reuter, relações públicas da AIDA Cruises, nos enviou, num outro email que JM remeteu para a companhia alemã.“O governo federal alemão estendeu o bloqueio para conter a pandemia até março de 2021. Muitos dos destinos de cruzeiros da AIDA também implementaram medidas que restringem significativamente as viagens internacionais de férias até ao início da primavera. Portanto, a AIDA Cruises planeia abrir a sua temporada de cruzeiros de 2021 começando a 20 de março com a AIDAperla nas Ilhas Canárias”, informou.A relações públicas acrescenta que “todos os cruzeiros serão realizados em conformidade com os extensos protocolos de saúde e segurança da AIDA, bem como com as leis e regulamentos nacionais e locais para proteção contra infeções”.2022 tem já previstas 219 escalasSe as previsões para 2022 se confirmarem, o que é provável face às estimativas de a imunidade de grupo ser alcançada em muitos países este verão, o próximo ano pode ser bem movimentado no porto do Funchal.A esta distância, já estão agendadas 219 escalas para o próximo ano, o que é um bom indicador, atendendo à distância do fim de 2021 e ao facto de muitas companhias ainda não terem feito as suas reservas.Esta será uma retoma que o setor aguarda com expectativa, depois das quebras acentuadas em 2020, ano em que houve apenas 69 escalas no porto do Funchal (-63,87%), correspondendo a uma quebra de passageiros de 62,26%.De referir ainda que até ao final de 2021 estão previstas, neste momento, 131 escalas no Funchal.Saúde e segurança são “a maior prioridade”Frau Nissel, do gabinete de imprensa da companhia AIDA, disse ao JM que a pandemia está a apresentar “desafios sem precedentes” às pessoas, economias e empresas, mas que a “maior prioridade” da companhia alemã é garantir a “saúde e segurança” dos passageiros e da tripulação.“A disseminação mundial do coronavírus atualmente apresenta desafios sem precedentes para pessoas, economias e empresas. Desenvolvemos um conceito abrangente de higiene e segurança para a retoma das viagens. A saúde e segurança de nossos hóspedes e tripulação é nossa maior prioridade”, sublinhou.Frau Nissel explica ainda que o “conceito de saúde” na empresa é “abrangente e as medidas e processos foram desenvolvidos sob as mais estritas condições, em cooperação com especialistas médicos, sendo baseados nas recomendações atuais de instituições líderes como a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Instituto Robert Koch (RKI) , bem como os regulamentos aplicáveis ​​na Alemanha e nos destinos” para onde viajam os navios.