Bielorrússia/Eleições: Manifestações juntam centenas frente a fábricas e à TV pública

Centenas de manifestantes reuniram-se hoje junto a fábricas e à sede da televisão pública, na capital da Bielorrússia, Minsk, a pedido da oposição, que anunciou uma greve geral para protestar contra a polémica reeleição do Presidente, Alexander Lukashenko. Agitando as bandeiras brancas e vermelhas da oposição, os manifestantes reuniram-se frente a uma fábrica de veículos pesados (a MZKT), onde Lukashenko chegou, entretanto, de helicóptero, relataram jornalistas da agência de notícias francesa AFP. “Não vamos esquecer, não vamos perdoar”, gritaram os manifestantes reunidos na fábrica, enquanto centenas de trabalhadores de outras fábricas caminhavam para a MZKT para se juntarem aos protestos, de acordo com um vídeo divulgado pelo site de notícias tut.by. Alexander Lukashenko já se reuniu com os trabalhadores da fábrica MZKT para tentar minimizar o alcance do movimento de protesto e garantir que as fábricas funcionam, apesar dos apelos para uma greve geral.

Bielorrússia/Eleições: Manifestações juntam centenas frente a fábricas e à TV pública
Centenas de manifestantes reuniram-se hoje junto a fábricas e à sede da televisão pública, na capital da Bielorrússia, Minsk, a pedido da oposição, que anunciou uma greve geral para protestar contra a polémica reeleição do Presidente, Alexander Lukashenko. Agitando as bandeiras brancas e vermelhas da oposição, os manifestantes reuniram-se frente a uma fábrica de veículos pesados (a MZKT), onde Lukashenko chegou, entretanto, de helicóptero, relataram jornalistas da agência de notícias francesa AFP. “Não vamos esquecer, não vamos perdoar”, gritaram os manifestantes reunidos na fábrica, enquanto centenas de trabalhadores de outras fábricas caminhavam para a MZKT para se juntarem aos protestos, de acordo com um vídeo divulgado pelo site de notícias tut.by. Alexander Lukashenko já se reuniu com os trabalhadores da fábrica MZKT para tentar minimizar o alcance do movimento de protesto e garantir que as fábricas funcionam, apesar dos apelos para uma greve geral.