Câmara de Machico diz que executou em 2019 mais receita do que despesa

A Câmara Municipal de Machico diz ter executado mais receita (100%) do que despesa (88%) e revela que a média da execução orçamental atingiu os 94%, "bem diferente da gestão PSD em 2012 que previu um orçamento de 30 milhões de euros e apenas executou 36% desse mesmo orçamento", acusou a autarquia esta tarde através de uma nota enviada à comunciação social sobre a aprovação da conta de gerência relativa ao ano económico de 2019, realizada na última reunião camarária. De acordo com a autarquia, esta prestação de contas "espelha também o cumprimento do pagamento do serviço de dívida (acordos de pagamento a fornecedores e empréstimos bancários), herdada em 2013, tendo sido saldado, em 2019, o valor de 1,9 milhões de euros, pelo que o total da dívida no final deste exercício económico era de 2,6 milhões de euros. Ou seja, muito longe dos quase 30 milhões herdados da gestão PSD", denuncia o executivo de Ricardo Franco. Outro aspecto que ressalta da conta de gerência "é a continuidade da redução da carga fiscal aos nossos munícipes, contrariamente àquilo que o PSD tenta induzir a população, facilmente desmentido por aquilo que tem sido a prática desta vereação ao longo dos últimos anos, nomeadamente com a manutenção do IMI na taxa mínima (0,3%), a implementação do IMI familiar, bem como a devolução de 20% da participação variável do IRS aos nossos contribuintes". A juntar a este aspecto, a autarquia refere o apoio social, "do qual se destaca a atribuição das bolsas de estudo no montante de 230 mil euros, abrangendo cerca de 310 alunos do ensino superior e também, não menos importante, a atribuição do cartão de apoio à aquisição de medicamentos destinado aos doentes crónicos com fracos recursos financeiros. Medidas estas, que nunca antes foram implementadas pelas vereações laranja e que num todo representa um investimento social na ordem dos 640 mil euros". Relativaente ao prazo médio de pagamentos desta Câmara em 2019, esta fixou-se nos seis dias. "Um dado que nos satisfaz de um modo especial, deixando bem patente a preocupação e seriedade deste executivo municipal em pagar a tempo e horas às empresas que fornecem e prestam serviços a este município, não contribuindo para qualquer tipo de dificuldade de tesouraria dessas entidades, ao invés daquilo que acontecia no tempo do PSD em que levava, em média, quase 170 dias para pagar a quem devia".  Quanto a investimento, a Câmara diz que esta conta de 2019 "reflete um montante de 1,2 milhões de euros, aplicados mormente em obras de proximidade e de valor inequívoco para a população, conforme foi compromisso assumido para este mandato".  

Câmara de Machico diz que executou em 2019 mais receita do que despesa
A Câmara Municipal de Machico diz ter executado mais receita (100%) do que despesa (88%) e revela que a média da execução orçamental atingiu os 94%, "bem diferente da gestão PSD em 2012 que previu um orçamento de 30 milhões de euros e apenas executou 36% desse mesmo orçamento", acusou a autarquia esta tarde através de uma nota enviada à comunciação social sobre a aprovação da conta de gerência relativa ao ano económico de 2019, realizada na última reunião camarária. De acordo com a autarquia, esta prestação de contas "espelha também o cumprimento do pagamento do serviço de dívida (acordos de pagamento a fornecedores e empréstimos bancários), herdada em 2013, tendo sido saldado, em 2019, o valor de 1,9 milhões de euros, pelo que o total da dívida no final deste exercício económico era de 2,6 milhões de euros. Ou seja, muito longe dos quase 30 milhões herdados da gestão PSD", denuncia o executivo de Ricardo Franco. Outro aspecto que ressalta da conta de gerência "é a continuidade da redução da carga fiscal aos nossos munícipes, contrariamente àquilo que o PSD tenta induzir a população, facilmente desmentido por aquilo que tem sido a prática desta vereação ao longo dos últimos anos, nomeadamente com a manutenção do IMI na taxa mínima (0,3%), a implementação do IMI familiar, bem como a devolução de 20% da participação variável do IRS aos nossos contribuintes". A juntar a este aspecto, a autarquia refere o apoio social, "do qual se destaca a atribuição das bolsas de estudo no montante de 230 mil euros, abrangendo cerca de 310 alunos do ensino superior e também, não menos importante, a atribuição do cartão de apoio à aquisição de medicamentos destinado aos doentes crónicos com fracos recursos financeiros. Medidas estas, que nunca antes foram implementadas pelas vereações laranja e que num todo representa um investimento social na ordem dos 640 mil euros". Relativaente ao prazo médio de pagamentos desta Câmara em 2019, esta fixou-se nos seis dias. "Um dado que nos satisfaz de um modo especial, deixando bem patente a preocupação e seriedade deste executivo municipal em pagar a tempo e horas às empresas que fornecem e prestam serviços a este município, não contribuindo para qualquer tipo de dificuldade de tesouraria dessas entidades, ao invés daquilo que acontecia no tempo do PSD em que levava, em média, quase 170 dias para pagar a quem devia".  Quanto a investimento, a Câmara diz que esta conta de 2019 "reflete um montante de 1,2 milhões de euros, aplicados mormente em obras de proximidade e de valor inequívoco para a população, conforme foi compromisso assumido para este mandato".