CMF apoia obras de acessibilidade na Igreja do Imaculado Coração de Maria

O presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, assinou esta manhã um protocolo entre a autarquia e a fábrica da Igreja do Imaculado Coração de Maria, com vista à atribuição de apoio financeiro para a realização de obras...

CMF apoia obras de acessibilidade na Igreja do Imaculado Coração de Maria
O presidente da Câmara Municipal do Funchal, Miguel Silva Gouveia, assinou esta manhã um protocolo entre a autarquia e a fábrica da Igreja do Imaculado Coração de Maria, com vista à atribuição de apoio financeiro para a realização de obras que facilitem o acesso a pessoas com mobilidade reduzida a este espaço paroquial.    Em comunicado, a CMF refere que apesar da sua construção relativamente recente, o templo religioso e as instalações anexas não estão dotados de condições que possibilitem a entrada e circulação de pessoas em cadeira de rodas ou com dificuldades de mobilidade. A Paróquia do Imaculado Coração de Maria recorreu, assim, à autarquia, porque não dispunha de recursos financeiros que permitissem custear, na íntegra, a realização das obras. Miguel Silva Gouveia referiu que o protocolo “assegura obras de melhoria das acessibilidades com incidência no adro da igreja, na entrada da própria igreja e no centro social, neste que é um projeto do arquiteto Chorão Ramalho que carece da nossa preservação.”  O edil salientou, na ocasião, a importância da cooperação do Município com as demais entidades do concelho, sendo que “este protocolo vem permitir dar sequência às políticas de inclusão que a Câmara Municipal do Funchal tem vindo a promover um pouco por todo o concelho, não só no espaço público municipal, mas também em cooperação com privados.” O protocolo prevê um financiamento de 12 mil euros para as obras necessárias. “Têm sido diversas as intervenções da Autarquia no sentido de quebrar barreiras e promover uma sociedade com igualdade de direitos, sendo que podemos destacar as melhorias que temos feito nas acessibilidades dos complexos balneares, nos edifícios municipais, como é o caso dos Paços do Concelho, mas também dos Museus, no Teatro Municipal Baltazar Dias e ainda nos jardins”, concluiu o presidente.