CMF deve abandonar a taxa turística, disse João Paulo Marques no ‘Política 5.0’

O advogado João Paulo Marques defendeu hoje, no programa da 88.8 JMFM, que “a Câmara Municipal do Funchal não tem condições para avançar com o projeto de taxa turística que tinha em mente e isso é algo que tem que ser imediatamente abandonado, ou suspenso, nem que seja para passar um sinal a todos os agentes desse setor”, sustentou. A par da taxa turística, o social-democrata considerou ainda que a autarquia não deveria cobrar a derrama municipal. “Eu acho que seria um contributo muito importante que a Câmara poderia dar ao tecido económico do Funchal, pelo menos, no próximo ano, suspender a cobrança da derrama municipal”. “Com estes dois contributos, penso que a Câmara daria uma enorme ajuda a começarmos a ultrapassar a crise que se avizinha”, assinalou. João Pedro Vieira alinhou no mesmo diapasão e mencionou que “as Câmaras terão que tomar decisões, mais tarde ou mais cedo, e essas passarão, certamente, no caso do Funchal, por reavaliar questões como a taxa turística, a derrama e as taxas que se aplicam neste momento ao nosso comércio e ao nosso tecido económico empresarial”. “Julgo que existirá uma abertura muito grande para, em diálogo também com as restantes forças políticas, encontrar os mecanismos necessários para dar resposta a esta crise, não só agora, no curto prazo, ao nível das respostas sociais, mas no médio e no longo prazo, ao nível do que forem as respostas necessárias do ponto de vista económico”, destacou. Para o secretário-geral do PS-Madeira, “as prioridades terão que ser repensadas. E eu penso que em todas as estruturas isso acabará por acontecer, nomeadamente nas câmaras municipais da nossa Região”. Nesse âmbito, deixou um repto: “espero que o Governo Regional esteja pronto para as ajudar também, naquelas que forem as suas necessidades financeiras”. Recorde-se que, neste programa, quatro jovens políticos analisam a atualidade regional - Carina Ferro, Rubina Berardo, João Pedro Vieira e João Paulo Marques - a que se junta uma quinta pessoa, com a rádio a apresentar um convidado diferente, todas as semanas. Esta quinta-feira, pudemos ouvir a opinião do padre Carlos Ismael, secretário do bispo do Funchal, num programa que foi feito a partir de casa, tendo sido emitido, excecionalmente, às 16 horas, devido à conferência do presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, marcada para as 17 horas.

CMF deve abandonar a taxa turística, disse João Paulo Marques no ‘Política 5.0’
O advogado João Paulo Marques defendeu hoje, no programa da 88.8 JMFM, que “a Câmara Municipal do Funchal não tem condições para avançar com o projeto de taxa turística que tinha em mente e isso é algo que tem que ser imediatamente abandonado, ou suspenso, nem que seja para passar um sinal a todos os agentes desse setor”, sustentou. A par da taxa turística, o social-democrata considerou ainda que a autarquia não deveria cobrar a derrama municipal. “Eu acho que seria um contributo muito importante que a Câmara poderia dar ao tecido económico do Funchal, pelo menos, no próximo ano, suspender a cobrança da derrama municipal”. “Com estes dois contributos, penso que a Câmara daria uma enorme ajuda a começarmos a ultrapassar a crise que se avizinha”, assinalou. João Pedro Vieira alinhou no mesmo diapasão e mencionou que “as Câmaras terão que tomar decisões, mais tarde ou mais cedo, e essas passarão, certamente, no caso do Funchal, por reavaliar questões como a taxa turística, a derrama e as taxas que se aplicam neste momento ao nosso comércio e ao nosso tecido económico empresarial”. “Julgo que existirá uma abertura muito grande para, em diálogo também com as restantes forças políticas, encontrar os mecanismos necessários para dar resposta a esta crise, não só agora, no curto prazo, ao nível das respostas sociais, mas no médio e no longo prazo, ao nível do que forem as respostas necessárias do ponto de vista económico”, destacou. Para o secretário-geral do PS-Madeira, “as prioridades terão que ser repensadas. E eu penso que em todas as estruturas isso acabará por acontecer, nomeadamente nas câmaras municipais da nossa Região”. Nesse âmbito, deixou um repto: “espero que o Governo Regional esteja pronto para as ajudar também, naquelas que forem as suas necessidades financeiras”. Recorde-se que, neste programa, quatro jovens políticos analisam a atualidade regional - Carina Ferro, Rubina Berardo, João Pedro Vieira e João Paulo Marques - a que se junta uma quinta pessoa, com a rádio a apresentar um convidado diferente, todas as semanas. Esta quinta-feira, pudemos ouvir a opinião do padre Carlos Ismael, secretário do bispo do Funchal, num programa que foi feito a partir de casa, tendo sido emitido, excecionalmente, às 16 horas, devido à conferência do presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, marcada para as 17 horas.