Consumo de pornografia bateu todos os recordes em 2019

O consumo de pornografia na Internet continua a crescer em todo o Mundo, revela o Correio da Manhã, que remete para os dados divulgados pela Pornhub, a maior plataforma online de conteúdos para adultos, segundo os quais foram registadas mais...

Consumo de pornografia bateu todos os recordes em 2019
O consumo de pornografia na Internet continua a crescer em todo o Mundo, revela o Correio da Manhã, que remete para os dados divulgados pela Pornhub, a maior plataforma online de conteúdos para adultos, segundo os quais foram registadas mais de 42 mil milhões de visitas em 2019 (mais 8,5 mil milhões face às 33,5 mil milhões contabilizadas em 2018), o que representa uma média de 115 milhões de acessos por dia.  Adianta a mesma fonte que em 2019 foram também quebrados os recordes de buscas, 39 mil milhões, (mais 8,7 mil milhões do que em 2018) - e descargas de vídeos - 6,83 mil milhões -, o que corresponde a 1,36 milhões de horas de conteúdos. Os EUA continuam a dominar o consumo mundial de pornografia online, sendo que o segundo lugar da lista é agora ocupado pelo Japão. Seguem-se Reino Unido, Canadá, França, Alemanha, Itália, Filipinas, Austrália e México. Portugal não figura nos 20 primeiros lugares da tabela, que representam 80% do consumo global de pornografia na Internet. No que concerne às faixas etárias dos consumidores, os internautas dos 25 aos 34 anos (com 36% do consumo total) foram os mais ativos. Depois encontram-se as faixas dos 18 aos 24 anos (25%) e a dos 35 aos 44 anos (17%). Seguem-se a dos 45 aos 54 (11%) e a dos 55 aos 64 (7%). Por último, os utilizadores com mais de 65 anos representam apenas 4% do total do consumo. O aumento de consumidores japoneses também veio influenciar os conteúdos mais procurados. Assim, ‘japonês’ e ‘hentai’ (banda desenhada erótica) lideram as preferências, remetendo ‘lésbica’ para 3º lugar (ainda que continue a ser a categoria preferida em Portugal e entre as mulheres). Logo a seguir surgem os termos ‘MILF’ (sigla utilizada para designar uma mãe com a qual se gostaria de manter relações sexuais), ‘coreano’, ‘asiático’, ‘madrasta’, ‘massagem’, ‘anal’ e ‘ébano’. O consumo feminino de conteúdos para adultos aumentou 3% em 2019 à escala mundial.