Dirigentes políticos condenados demarcam-se dos atos de violência na Catalunha

Os presos condenados na segunda-feira pela tentativa de independência da Catalunha demarcaram-se hoje dos confrontos de terça-feira à noite em vários pontos da região autónoma, sublinhando que a violência “não os representa”. Oriol Junqueras,...

Dirigentes políticos condenados demarcam-se dos atos de violência na Catalunha
Os presos condenados na segunda-feira pela tentativa de independência da Catalunha demarcaram-se hoje dos confrontos de terça-feira à noite em vários pontos da região autónoma, sublinhando que a violência “não os representa”. Oriol Junqueras, Raul Romeva, Carme Forcadell, Dolors Bassa, Josep Ruy, Jordi Turull, Joaquim Forn, Jordi Sánchez e Jordi Cuixart publicaram na rede social Twitter a mesma mensagem: “Apoiamos as mobilizações e as marchas pacíficas. Nenhuma violência nos representa”, referem na mensagem. O texto, que foi difundido pelos presos, foi acompanhado de imagens de manifestações pacíficas e foi divulgado depois de confrontos entre manifestantes e a polícia, terça-feira à noite na Catalunha. Segundo dados provisórios do Governo espanhol, as forças de segurança já detiveram 51 pessoas desde o início dos atos de violência. Os números dão ainda conta de 125 feridos, dos quais 57 são das forças de ordem autonómicas e 18 da Polícia Nacional. Madrid também informa que em Barcelona os grupos mais violentos fizeram 157 “barricadas com fogueiras” e quatro carrinhas da polícia regional (Mossos d’Esquadra) foram “inutilizadas”. Entretanto, os movimentos independentistas na Catalunha (Espanha) voltaram hoje a convocar protestos contra a condenação de 12 dos seus dirigentes políticos, tendo anunciado cinco “Marchas pela liberdade” a partir das principais cidades da região. As cinco marchas são organizadas pela Assembleia Nacional da Catalunha (ANC, organização cívica independentista), com o apoio do Òmnium Cultural (outra organização cívica independentista), e vão convergir em Barcelona nos próximos três dias.