"É altura de nós reinventarmos. Daqui para a frente nada será igual", sustenta Teatral

Amanhã é o Dia Internacional do Teatro, que será assinalado numa altura de “tempos estranhos. Tempos estranhos em que se comemora uma arte maior no palco de cada casa”, refere uma nota do Grupo Teatral de São Gonçalo. O seu presidente, Roberto Costa, lembra que “o teatro é social. Teatro é socializar. Se atores, encenadores, cenógrafos, luminotécnicos, sonorizadores, maquinistas, pessoal de apoio, etc, são fundamentais, não há teatro sem público”.  “É pelo público que nos movemos. O devir, a força dos dias, trouxemos aqui. A esta encruzilhada onde o tempo e o estar assumem novos significados. Temos que perceber estes tempos. Perceber que há coisas que são bem maiores do que nós. E que só somos de muito, se unidos”.  Por isso, disse acreditar que “é altura de nós reinventarmos. Daqui para a frente, nada será igual. E o teatro tem que estar na primeira fila da mudança”, defendeu.

"É altura de nós reinventarmos. Daqui para a frente nada será igual", sustenta Teatral
Amanhã é o Dia Internacional do Teatro, que será assinalado numa altura de “tempos estranhos. Tempos estranhos em que se comemora uma arte maior no palco de cada casa”, refere uma nota do Grupo Teatral de São Gonçalo. O seu presidente, Roberto Costa, lembra que “o teatro é social. Teatro é socializar. Se atores, encenadores, cenógrafos, luminotécnicos, sonorizadores, maquinistas, pessoal de apoio, etc, são fundamentais, não há teatro sem público”.  “É pelo público que nos movemos. O devir, a força dos dias, trouxemos aqui. A esta encruzilhada onde o tempo e o estar assumem novos significados. Temos que perceber estes tempos. Perceber que há coisas que são bem maiores do que nós. E que só somos de muito, se unidos”.  Por isso, disse acreditar que “é altura de nós reinventarmos. Daqui para a frente, nada será igual. E o teatro tem que estar na primeira fila da mudança”, defendeu.