Estudante madeirense na Holanda pede ajuda para regressar à Região

É mais um caso de um jovem estudante madeirense no estrangeiro que procura voltar para a Região, sem sucesso devido aos cancelamentos de ligações aéreas, lançando por isso um apelo às entidades governamentais. Francisco Pestana, natural de Câmara de Lobos, está em Roterdão, na Holanda, a frequentar uma licenciatura em música clássica. Com o encerramento das universidades e de vários serviços, o jovem assume que gostaria de voltar a Portugal, onde se sentiria “mais seguro”. “Com o vírus a alastrar-se de forma abrupta, não só receio que fique sem condições para aqui estar visto que os supermercados estão a repor os alimentos e produtos de higiene com menos regularidade, mas também porque o governo holandês não está a tomar as devidas precauções”, refere ao JM. “As aulas da universidade foram canceladas e sei que estarei mais seguro em Portugal durante este período.” Depois de ter marcado duas viagens que acabaram por ser canceladas, o estudante explica que já tentou “contactar diversas entidades governamentais, mas sem sucesso até ao momento”, pedindo por isso ajuda para assegurar o regresso à Madeira. Francisco Pestana espera conseguir, com a mensagem, que “a voz de todos os estudantes portugueses que se encontram nesta situação atinja essas entidades governamentais”, para “dessa forma procederem ao nosso repatriamento”.

Estudante madeirense na Holanda pede ajuda para regressar à Região
É mais um caso de um jovem estudante madeirense no estrangeiro que procura voltar para a Região, sem sucesso devido aos cancelamentos de ligações aéreas, lançando por isso um apelo às entidades governamentais. Francisco Pestana, natural de Câmara de Lobos, está em Roterdão, na Holanda, a frequentar uma licenciatura em música clássica. Com o encerramento das universidades e de vários serviços, o jovem assume que gostaria de voltar a Portugal, onde se sentiria “mais seguro”. “Com o vírus a alastrar-se de forma abrupta, não só receio que fique sem condições para aqui estar visto que os supermercados estão a repor os alimentos e produtos de higiene com menos regularidade, mas também porque o governo holandês não está a tomar as devidas precauções”, refere ao JM. “As aulas da universidade foram canceladas e sei que estarei mais seguro em Portugal durante este período.” Depois de ter marcado duas viagens que acabaram por ser canceladas, o estudante explica que já tentou “contactar diversas entidades governamentais, mas sem sucesso até ao momento”, pedindo por isso ajuda para assegurar o regresso à Madeira. Francisco Pestana espera conseguir, com a mensagem, que “a voz de todos os estudantes portugueses que se encontram nesta situação atinja essas entidades governamentais”, para “dessa forma procederem ao nosso repatriamento”.