Igreja suspende batismos, matrimónios e crismas e apela à responsabilidade

A Conferência Portuguesa Episcopal Portuguesa (CEP) anunciou, esta quinta-feira, a suspensão de celebrações como batismos, crismas e matrimónios devido "à gravíssima situação de pandemia que vivemos neste momento, a exigir de todos nós acrescida responsabilidade e solidariedade no seu combate, contribuindo para superar a crise com todo o empenho". No comunicado publicado hoje no seu site, a Conferência Portuguesa Episcopal Portuguesa explica que tomou estas decisões, "tendo em conta as orientações governamentais decretadas para o confinamento que se inicia a 15 de janeiro, continuaremos com as celebrações litúrgicas, nomeadamente a Eucaristia e as Exéquias, segundo as orientações da Conferência Episcopal Portuguesa de 8 de maio de 2020, emanadas em coordenação com a Direção Geral da Saúde". Revela também que outras celebrações, "como Batismos, Crismas e Matrimónios, devem ser suspensas ou adiadas para momento mais oportuno, quando a situação sanitária o permitir." A catequese continuará "em regime presencial onde for possível observar as exigências sanitárias; de contrário, pode ser por via digital ou cancelada". A CEP recomendamos ainda que "outras atividades pastorais se realizem de modo digital ou sejam adiadas". Recorde-se que, quanto aos funerais, e de acordo com o documento saído do Conselho de Ministros desta quarta-feira, a sua realização "está condicionada à adoção de medidas organizacionais que garantam a inexistência de aglomerados de pessoas e o controlo das distâncias de segurança". O documento prevê a fixação de um limite máximo de presenças, a determinar pela autarquia local que exerça os poderes de gestão do respetivo cemitério.

Igreja suspende batismos, matrimónios e crismas e apela à responsabilidade
A Conferência Portuguesa Episcopal Portuguesa (CEP) anunciou, esta quinta-feira, a suspensão de celebrações como batismos, crismas e matrimónios devido "à gravíssima situação de pandemia que vivemos neste momento, a exigir de todos nós acrescida responsabilidade e solidariedade no seu combate, contribuindo para superar a crise com todo o empenho". No comunicado publicado hoje no seu site, a Conferência Portuguesa Episcopal Portuguesa explica que tomou estas decisões, "tendo em conta as orientações governamentais decretadas para o confinamento que se inicia a 15 de janeiro, continuaremos com as celebrações litúrgicas, nomeadamente a Eucaristia e as Exéquias, segundo as orientações da Conferência Episcopal Portuguesa de 8 de maio de 2020, emanadas em coordenação com a Direção Geral da Saúde". Revela também que outras celebrações, "como Batismos, Crismas e Matrimónios, devem ser suspensas ou adiadas para momento mais oportuno, quando a situação sanitária o permitir." A catequese continuará "em regime presencial onde for possível observar as exigências sanitárias; de contrário, pode ser por via digital ou cancelada". A CEP recomendamos ainda que "outras atividades pastorais se realizem de modo digital ou sejam adiadas". Recorde-se que, quanto aos funerais, e de acordo com o documento saído do Conselho de Ministros desta quarta-feira, a sua realização "está condicionada à adoção de medidas organizacionais que garantam a inexistência de aglomerados de pessoas e o controlo das distâncias de segurança". O documento prevê a fixação de um limite máximo de presenças, a determinar pela autarquia local que exerça os poderes de gestão do respetivo cemitério.