Indonésia recorre a "fantasmas" para manter população em casa

Uma aldeia na Indonésia criou "equipas de fantasmas" para assustarem as pessoas e assim mantê-las em casa. Contudo, a ideia não resultou da forma esperada. os residentes saíam na mesma para a rua matarem a sua curiosidade perante aquelas figuras. Segundo a agência Reuters, citada pela publicação The Independent, tudo começou com um grupo de jovens na aldeia de Kepuh, na ilha de Java, a aconselhar a polícia local a formar uma equipa de voluntários para reencarnarem os "pocong" (poh-chong) - um espírito que representa as almas presas aos mortos e que é retratado como estando envolvido por um manto branco amarrado na cabeça, no pescoço e sob os pés. A equipa entende que, ao deabularem pelas ruas da aldeia, os mais supersticiosos vão achar que são mesmo fantasmas e não vão querer sair de casa.  Anjar Pancaningtyas, chefe do grupo, explicou que o objetivo era, acima de tudo, criar um efeito dissuador.  Contudo, estes 'fantasmas' não tiveram o efeito que era esperado. Os residentes começaram a aparecer nas ruas, curiosos... Recorde-se que, na segunda-feira, o Ministério da Saúde da Indonésia anunciou um total de 4.557 casos confirmados em todo o país, com 399 mortes.  

Indonésia recorre a "fantasmas" para manter população em casa
Uma aldeia na Indonésia criou "equipas de fantasmas" para assustarem as pessoas e assim mantê-las em casa. Contudo, a ideia não resultou da forma esperada. os residentes saíam na mesma para a rua matarem a sua curiosidade perante aquelas figuras. Segundo a agência Reuters, citada pela publicação The Independent, tudo começou com um grupo de jovens na aldeia de Kepuh, na ilha de Java, a aconselhar a polícia local a formar uma equipa de voluntários para reencarnarem os "pocong" (poh-chong) - um espírito que representa as almas presas aos mortos e que é retratado como estando envolvido por um manto branco amarrado na cabeça, no pescoço e sob os pés. A equipa entende que, ao deabularem pelas ruas da aldeia, os mais supersticiosos vão achar que são mesmo fantasmas e não vão querer sair de casa.  Anjar Pancaningtyas, chefe do grupo, explicou que o objetivo era, acima de tudo, criar um efeito dissuador.  Contudo, estes 'fantasmas' não tiveram o efeito que era esperado. Os residentes começaram a aparecer nas ruas, curiosos... Recorde-se que, na segunda-feira, o Ministério da Saúde da Indonésia anunciou um total de 4.557 casos confirmados em todo o país, com 399 mortes.