“Infelizmente, a Região está por conta própria”, Lopes da Fonseca

Na ronda de auscultação que vai promovendo junto dos partidos políticos com assento na Assembleia Regional, o secretário regional de Economia, Rui Barreto, recebeu esta sexta-feira o grupo parlamentar do CDS, liderado por Lopes da Fonseca. O centrista traça uma quadro negro da atual situação, ainda que mesclado de esperança de que a Região irá conseguir ultrapassar as inúmeras dificuldades, e apontar o dedo a Lisboa, mormente criticando a ausência de medidas e falta de solidariedade para com os madeirenses. “O CDS deixou aqui as linhas de orientação daquilo que nós consideramos ser importantes para a economia. O Governo Regional está a agir bem durante este período mais dramática, com implementação de medidas económicas e sociais muito importantes”, disse Lopes da Fonseca. Mas agora, “temos que encarar com muito realismo tudo o que aí vem. E não podemos deixar de exigir aquilo que o Governo da República tem, em termos de responsabilidades, para com a Região”, constata. E nesse sentido, prossegue, “voltamos a dizer que o aval para o crédito, dos 480 milhões de euros, ainda não foi dado. Passaram meses desde a aprovação do Orçamento Suplementar de Estado e o Governo da República continua a não dizer nada”. “Aliás, basta referir que a moratória foi arrancada a ferros, o que significa que a Região está por conta própria. Só estamos a contar com os impostos dos madeirenses. Infelizmente, do Estado, ainda não veio nada”, complementa.

“Infelizmente, a Região está por conta própria”, Lopes da Fonseca
Na ronda de auscultação que vai promovendo junto dos partidos políticos com assento na Assembleia Regional, o secretário regional de Economia, Rui Barreto, recebeu esta sexta-feira o grupo parlamentar do CDS, liderado por Lopes da Fonseca. O centrista traça uma quadro negro da atual situação, ainda que mesclado de esperança de que a Região irá conseguir ultrapassar as inúmeras dificuldades, e apontar o dedo a Lisboa, mormente criticando a ausência de medidas e falta de solidariedade para com os madeirenses. “O CDS deixou aqui as linhas de orientação daquilo que nós consideramos ser importantes para a economia. O Governo Regional está a agir bem durante este período mais dramática, com implementação de medidas económicas e sociais muito importantes”, disse Lopes da Fonseca. Mas agora, “temos que encarar com muito realismo tudo o que aí vem. E não podemos deixar de exigir aquilo que o Governo da República tem, em termos de responsabilidades, para com a Região”, constata. E nesse sentido, prossegue, “voltamos a dizer que o aval para o crédito, dos 480 milhões de euros, ainda não foi dado. Passaram meses desde a aprovação do Orçamento Suplementar de Estado e o Governo da República continua a não dizer nada”. “Aliás, basta referir que a moratória foi arrancada a ferros, o que significa que a Região está por conta própria. Só estamos a contar com os impostos dos madeirenses. Infelizmente, do Estado, ainda não veio nada”, complementa.