Jornadas Madeira: “Muitas vezes é preciso dizer não”, diz Raimundo Quintal sobre a Estrada das Ginjas

“Embora eu entenda que quem gere a coisa pública tem a tendência para responder às pressões dos seus eleitores, eu também já fui autarca e sei o que é viver fora e o que é viver dentro. No entanto, também sei que muitas vezes é preciso dizer não”, afirmou Raimundo Quintal, referindo-se à Estrada das Ginjas. “Ontem fiquei verdadeiramente preocupado quando vi a sua entrevista, quando disse que seria uma obra estruturante (a da Estrada das Ginjas)”, prosseguiu, visando o presidente da Câmara Municipal de São Vicente, José António Garcês.  “O senhor presidente afirmou que a obra da frente mar não terá apoios comunitários, com certeza não será dos 400 milhões que foram agora pedidos e que ninguém os garante”, referiu ainda.

Jornadas Madeira: “Muitas vezes é preciso dizer não”, diz Raimundo Quintal sobre a Estrada das Ginjas
“Embora eu entenda que quem gere a coisa pública tem a tendência para responder às pressões dos seus eleitores, eu também já fui autarca e sei o que é viver fora e o que é viver dentro. No entanto, também sei que muitas vezes é preciso dizer não”, afirmou Raimundo Quintal, referindo-se à Estrada das Ginjas. “Ontem fiquei verdadeiramente preocupado quando vi a sua entrevista, quando disse que seria uma obra estruturante (a da Estrada das Ginjas)”, prosseguiu, visando o presidente da Câmara Municipal de São Vicente, José António Garcês.  “O senhor presidente afirmou que a obra da frente mar não terá apoios comunitários, com certeza não será dos 400 milhões que foram agora pedidos e que ninguém os garante”, referiu ainda.