Maior migração humana do planeta arranca na China com Ano Novo Lunar

Por estrada ou por mar, de avião ou de comboio, milhões de chineses estão a caminho da terra natal para festejar esta semana a passagem do ano lunar com a família, na maior migração interna do planeta. "É fatigante", admite à agência Lusa Xiaowang,...

Maior migração humana do planeta arranca na China com Ano Novo Lunar
Por estrada ou por mar, de avião ou de comboio, milhões de chineses estão a caminho da terra natal para festejar esta semana a passagem do ano lunar com a família, na maior migração interna do planeta. "É fatigante", admite à agência Lusa Xiaowang, que se prepara para a jornada de 20 horas de comboio que separa Pequim da sua terra natal, na província de Sichua, sudoeste do país. "Mas esta data é muito importante para os chineses: é quando nos reunimos com a família", diz. "Não podia faltar". À medida que o Ano Novo Lunar se aproxima, viajantes chineses enchem estações de comboio e aeroportos. Segundo o ministério dos Transportes, durante cerca de 40 dias, a China deve registar um total de três mil milhões de viagens internas. Trata-se da principal festa das famílias chinesas, equivalente ao natal nos países ocidentais, e decorre de 24 a 30 de janeiro, sob o signo do rato, o primeiro dos doze animais do milenar zodíaco chinês. Na estação de comboios Oeste de Pequim, o frenesim é constante: milhares de trabalhadores rurais, carregados com malas ou sacos de pano, iniciam o regresso a casa. Para muitos das centenas de milhões de trabalhadores migrantes empregados nas prósperas cidades do litoral chinês, está é a única altura do ano em que reveem os filhos ou pais, que permanecem geralmente no interior do país. "Comprei os bilhetes com meio mês de antecedência", diz Chen Jinghuai, que vai viajar 17 horas de comboio entre Pequim e a sua terra natal, na província de Anhui. "Durante este período, esgotam rápido", conta. Com um bebé de seis meses ao colo, a chinesa Yang Zhen explica que tem este ano nova companhia no regresso à terra natal: "É a primeira vez que o meu filho vai a casa". Todas as escolas, do ensino primário ao superior, fecham durante um mês. Para muitos trabalhadores, as folgas e feriados concedidos nesta quadra pelo Governo e as empresas constituem as únicas férias do ano. Na China e em todas as 'chinatown' espalhadas pelo mundo, os edifícios são engalanados com lanternas vermelhas, enquanto nas ruas se lançam petardos e fogo-de-artifício para "afugentar os maus espíritos'. Ratos de vários tamanhos e feitios ornamentam as lojas e os centros comerciais. Este ano, a jornada exige precauções extras, face a um novo tipo de pneumonia viral com origem no centro do país e que causou já dois mortos, tendo-se alastrado, entretanto, ao Japão e à Tailândia. Na cidade chinesa de Wuhan, um importante centro de transporte doméstico e internacional, 41 pessoas foram infetadas com a nova pneumonia viral, cinco das quais permanecem em estado grave. Uma investigação identificou a doença como um novo tipo de coronavírus, uma espécie viral que causa infeções respiratórias em seres humanos e animais e é transmitido através da tosse, espirros ou contacto físico. Alguns destes vírus resultam apenas numa constipação, enquanto outros podem gerar doenças respiratórias mais graves, como a pneumonia atípica, ou Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS), que entre 2002 e 2003 matou 650 pessoas na China continental e em Hong Kong. Os centros de transporte estão a reforçar medidas de desinfeção, monitoramento e prevenção, disse Wang Yang, engenheiro-chefe do ministério. "O surgimento desta epidemia pode causar pânico entre as pessoas, especialmente em áreas onde se gera maior densidade populacional durante o período de férias", observou, em conferência de imprensa.