NASA regista níveis de poluição do ar abaixo da média em vários países, incluindo Portugal

O isolamento devido à pandemia de covid-19 por todo o mundo parece continuar a se refletir nos níveis de poluição do ar. Segundo os dados mais recentes do Global Modeling and Data Assimilation Office da NASA, o confinamento está a resultar numa diminuição drástica dos agentes poluentes em vários países, até mesmo em Portugal. Em solo luso, as imagens do satélite Europeu Copernicus Sentinel 5P processadas pelos peritos do AIR Center retratam uma quebra drástica dos níveis de dióxido de nitrogénio no início de abril, sendo que em Lisboa registou-se uma redução de 80% e no Porto 60%.   Conforme já tinha sido divulgado pela NASA recentemente, imagens mostravam que os níveis de poluição tinham baixado na China com o período de quarentena. Porém, os novos dados apontam também para a Coreia do Sul e a Índia com índices mais baixos de materiais particulados de nitratos, assim como de dióxido de nitrogénio, carbono e enxofre em relação ao período 2014-2019. Na Europa, as diferenças são notórias em especial na Itália com uma redução de dióxido de nitrogénio, entre os 45 e 50% em comparação com o mesmo período do ano passado.

NASA regista níveis de poluição do ar abaixo da média em vários países, incluindo Portugal
O isolamento devido à pandemia de covid-19 por todo o mundo parece continuar a se refletir nos níveis de poluição do ar. Segundo os dados mais recentes do Global Modeling and Data Assimilation Office da NASA, o confinamento está a resultar numa diminuição drástica dos agentes poluentes em vários países, até mesmo em Portugal. Em solo luso, as imagens do satélite Europeu Copernicus Sentinel 5P processadas pelos peritos do AIR Center retratam uma quebra drástica dos níveis de dióxido de nitrogénio no início de abril, sendo que em Lisboa registou-se uma redução de 80% e no Porto 60%.   Conforme já tinha sido divulgado pela NASA recentemente, imagens mostravam que os níveis de poluição tinham baixado na China com o período de quarentena. Porém, os novos dados apontam também para a Coreia do Sul e a Índia com índices mais baixos de materiais particulados de nitratos, assim como de dióxido de nitrogénio, carbono e enxofre em relação ao período 2014-2019. Na Europa, as diferenças são notórias em especial na Itália com uma redução de dióxido de nitrogénio, entre os 45 e 50% em comparação com o mesmo período do ano passado.