Nicolás Maduro dá 72 horas para embaixadora da União Europeia abandonar a Venezuela

Nicolás Maduro acaba de dar 72 horas para a embaixadora da União Europeia - a portuguesa Isabel Brilhante Pedrosa - abandonar a Venezuela. Numa comunicação que está a ser transmitida pelos órgãos de comunicação social venezuelanos, Nicolás Maduro afirma que "já basta de colonialismo europeu" e que a embaixadora tem 72 horas para abandonar o país. O ato do presidente é uma retaliação às "sanções" que a União Europeia tem realizado a elementos próximos do governo e a instituições que apoiam o regime venezuelano, nomeadamente a "um grupo de generais" e a um "grupo de constituintes". "Quem são eles para sancionar? Quem são eles para nos ameaçar? Já basta! Por isso, eu decidi dar 72 horas à embaixadora da União Europeia, em Caracas, para que abandone o país", disse, exigindo "respeito da UE". "Já basta de colonialismo europeu contra a Venezuela. Já basta. 72 horas para que a embaixadora saia do país. Já basta de intervencionismo colonialista, de supremacismo e de racismo", disse.

Nicolás Maduro dá 72 horas para embaixadora da União Europeia abandonar a Venezuela
Nicolás Maduro acaba de dar 72 horas para a embaixadora da União Europeia - a portuguesa Isabel Brilhante Pedrosa - abandonar a Venezuela. Numa comunicação que está a ser transmitida pelos órgãos de comunicação social venezuelanos, Nicolás Maduro afirma que "já basta de colonialismo europeu" e que a embaixadora tem 72 horas para abandonar o país. O ato do presidente é uma retaliação às "sanções" que a União Europeia tem realizado a elementos próximos do governo e a instituições que apoiam o regime venezuelano, nomeadamente a "um grupo de generais" e a um "grupo de constituintes". "Quem são eles para sancionar? Quem são eles para nos ameaçar? Já basta! Por isso, eu decidi dar 72 horas à embaixadora da União Europeia, em Caracas, para que abandone o país", disse, exigindo "respeito da UE". "Já basta de colonialismo europeu contra a Venezuela. Já basta. 72 horas para que a embaixadora saia do país. Já basta de intervencionismo colonialista, de supremacismo e de racismo", disse.