OE2019: Centeno destaca “sinal positivo” do excedente de 402 ME até agosto

O ministro das Finanças, Mário Centeno, mostrou-se satisfeito com o excedente das administrações públicas de 402 milhões de euros até agosto, considerando que é um “sinal positivo”. O excedente das administrações públicas fixou-se em 402 milhões...

OE2019: Centeno destaca “sinal positivo” do excedente de 402 ME até agosto
O ministro das Finanças, Mário Centeno, mostrou-se satisfeito com o excedente das administrações públicas de 402 milhões de euros até agosto, considerando que é um “sinal positivo”. O excedente das administrações públicas fixou-se em 402 milhões de euros até agosto, uma melhoria de 982 milhões de euros face a 2018, com a receita a crescer 4,6%, informou hoje o Ministério das Finanças. Confrontado com a síntese de execução orçamental divulgada hoje, à margem de um encontro com empresários em Leiria, Mário Centeno afirmou que “é verdade em contabilidade pública, não em contabilidade nacional”. “Aquilo que registamos com satisfação no mês de agosto é que as contas públicas até agosto apresentam esse sinal positivo. Não podemos projetar a estabilidade fiscal num país que gera défices sucessivamente. O défice ontem foi sinal de impostos amanhã. Sempre foi assim”, acrescentou. Segundo o ministro das Finanças, “quando o choque fiscal gera défices, estamos a trocar impostos hoje por impostos amanhã, onerando as transições - sejam demográficas sejam energéticas –, as gerações futuras” e “aqueles que investem em Portugal”. “Hoje temos investimento, mais elevado que alguma vez existiu em Portugal com taxas de crescimento das mais elevadas que alguma vez existiram. Este investimento é hoje conseguido não desequilibrando as contas externas. É a primeira vez que a economia portuguesa consegue este equilíbrio absolutamente essencial nas suas contas”, garantiu o governante. Para Mário Centeno, isto acontece “porque o Estado cumpre a sua função, que é a de ter um orçamento equilibrado que não coloca ónus no futuro”. “A partir do momento em que temos uma capacidade de financiamento positiva na nossa economia, significa que a nossa dívida externa está a reduzir-se e que os nossos custos de financiamento se vão continuar a reduzir. Quando digo nossos não digo da administração pública, mas das empresas e das famílias”, insistiu. O excedente das administrações públicas fixou-se em 402 milhões de euros até agosto, uma melhoria de 982 milhões de euros face a 2018, com a receita a crescer 4,6%, informou hoje o Ministério das Finanças. Num comunicado que antecede publicação da síntese de execução orçamental, o Ministério das Finanças indica que “a execução orçamental em contabilidade pública das Administrações Públicas (AP) até agosto registou uma melhoria de 982 milhões de euros face a 2018, atingindo pela primeira vez neste período um saldo positivo de 402 milhões de euros”. A melhoria do saldo é explicada por um crescimento da receita de 4,6% e da despesa de 2,7%. No comunicado, o Ministério das Finanças adianta que “o valor do saldo orçamental em contabilidade pública [a que é tida em conta na síntese de execução orçamental] é beneficiado por efeitos que não têm impacto no apuramento em contas nacionais, na ordem dos 400 milhões de euros”.