Pelo menos oito pessoas ainda desaparecidas depois de inundações em França

Pelo menos oito pessoas continuam desaparecidas nas vilas montanhosas próximas de Nice, em França, na sequência de violentas inundações que já causaram a morte de várias pessoas e destruíram estradas, pontes e a rede de fornecimento de eletricidade. “Nunca tínhamos tido um fenómeno tão violento e localizado em lugares tão inacessíveis. É muito raro”, afirmou hoje presidente do conselho de administração da elétrica Enedis, Marianne Laigneau, acrescentando que as inundações danificaram até a rede subterrânea. As fortes chuvas que se fizeram sentir na sexta-feira na zona que faz fronteira entre o sudeste francês e o noroeste italiano obrigou ao corte de estradas e pontes, deixando vilas completamente isoladas e destruindo várias habitações. As inundações provocaram, segundo uma avaliação ainda provisória, a morte de quatro pessoas em França. No sábado, tinham-se registado duas vítimas mortais em Itália - um bombeiro de 53 anos no Vale de Aosta e um homem de 36 anos cuja viatura havia caído no rio Sesia, na região transalpina de Piemonte. No domingo, as regiões de Piemonte e Liguria, no noroeste de Itália, pediram ao Governo para decretar o estado de emergência, já que, só na região de Piemonte, é estimado que mais de 1.300 casas tenham sido afetadas pela tempestade. Hoje de manhã, as autoridades francesas davam conta de oito pessoas desaparecidas e outras 13 “possivelmente desaparecidas”, já que os seus parentes ainda não tiveram notícias delas. As chuvas torrenciais também mataram duas pessoas em Itália, a algumas centenas de quilómetros de Nice, no Vale de Aosta e em Piemonte. De acordo com a responsável da Enedis, cerca de 15.000 casas ficaram sem eletricidade no auge do evento, mas a luz “foi restabelecida para todos os clientes cujo acesso é possível por estrada”. “O problema continua nas vilas inacessíveis por estrada, mas cada uma foi equipada com um gerador. Cerca de 30 foram transportados inicialmente por helicópteros do exército e uma outra centena está para ser distribuída, explicou hoje a presidente da empresa. “Quando essas vilas estiverem acessíveis por trilhos, poderemos fazer um reabastecimento temporário puxando cabos, mas, por enquanto, isso não é possível porque é necessário passar máquinas muito pesadas, como lagartas e guindastes”, explicou.

Pelo menos oito pessoas ainda desaparecidas depois de inundações em França
Pelo menos oito pessoas continuam desaparecidas nas vilas montanhosas próximas de Nice, em França, na sequência de violentas inundações que já causaram a morte de várias pessoas e destruíram estradas, pontes e a rede de fornecimento de eletricidade. “Nunca tínhamos tido um fenómeno tão violento e localizado em lugares tão inacessíveis. É muito raro”, afirmou hoje presidente do conselho de administração da elétrica Enedis, Marianne Laigneau, acrescentando que as inundações danificaram até a rede subterrânea. As fortes chuvas que se fizeram sentir na sexta-feira na zona que faz fronteira entre o sudeste francês e o noroeste italiano obrigou ao corte de estradas e pontes, deixando vilas completamente isoladas e destruindo várias habitações. As inundações provocaram, segundo uma avaliação ainda provisória, a morte de quatro pessoas em França. No sábado, tinham-se registado duas vítimas mortais em Itália - um bombeiro de 53 anos no Vale de Aosta e um homem de 36 anos cuja viatura havia caído no rio Sesia, na região transalpina de Piemonte. No domingo, as regiões de Piemonte e Liguria, no noroeste de Itália, pediram ao Governo para decretar o estado de emergência, já que, só na região de Piemonte, é estimado que mais de 1.300 casas tenham sido afetadas pela tempestade. Hoje de manhã, as autoridades francesas davam conta de oito pessoas desaparecidas e outras 13 “possivelmente desaparecidas”, já que os seus parentes ainda não tiveram notícias delas. As chuvas torrenciais também mataram duas pessoas em Itália, a algumas centenas de quilómetros de Nice, no Vale de Aosta e em Piemonte. De acordo com a responsável da Enedis, cerca de 15.000 casas ficaram sem eletricidade no auge do evento, mas a luz “foi restabelecida para todos os clientes cujo acesso é possível por estrada”. “O problema continua nas vilas inacessíveis por estrada, mas cada uma foi equipada com um gerador. Cerca de 30 foram transportados inicialmente por helicópteros do exército e uma outra centena está para ser distribuída, explicou hoje a presidente da empresa. “Quando essas vilas estiverem acessíveis por trilhos, poderemos fazer um reabastecimento temporário puxando cabos, mas, por enquanto, isso não é possível porque é necessário passar máquinas muito pesadas, como lagartas e guindastes”, explicou.