Petição pede investigação a youtubers portugueses

Sete mil subscritores assinaram uma petição com vista a solicitar à Polícia Judiciária que investigue os "esquemas ou pseudo-negócios" praticados pelos influenciadores digitais. De acordo com o Jornal de Notícias, no referido documento, os subscritores pedem que as autoridades atuem contra os esquemas "altamente aliciantes (...) praticados por influenciadores" e que permitem "o enriquecimento desonesto destes burlões à custa de perdas enormes por parte das pessoas burladas". Nas últimas horas, abaixo-assinado terá ganho uma nova força depois do youtuber 'RedLive13', alcunha pela qual é conhecido na plataforma, ter revelado em alguns vídeos alegadas burlas praticadas por vários populares influenciadores portugueses.  "Estes burlões usam os mercados financeiros como ilusão para o enriquecimento rápido para enganar as pessoas burladas como, por exemplo, forex, ações e criptomoedas, além de promoverem grupos especiais com pagamentos mensais para terem acesso a sinais", lê-se no referido documento.  Adianta o JN que os youtubers Diogo Figueiras (Windoh), Numeiro, David Soares (David GYT) e Fábio Pereira (Ferp) estarão entre os principais visados. Windoh, que há dias vendia cursos de investimento em ações e criptomoedas a 400 euros e que o hacker RedLive13 alega serem burla, já reagiu e diz que as acusações são "rumores" e "blasfémias". "Não é correto o que andam a dizer. Deixem-me de associar a esquemas, porque nunca o fiz", argumentou. É também apontada na petição outra irregularidade que diz respeito à promoção de sites de apostas "online" sem licença para operar em Portugal pelos influenciadores.    

Petição pede investigação a youtubers portugueses
Sete mil subscritores assinaram uma petição com vista a solicitar à Polícia Judiciária que investigue os "esquemas ou pseudo-negócios" praticados pelos influenciadores digitais. De acordo com o Jornal de Notícias, no referido documento, os subscritores pedem que as autoridades atuem contra os esquemas "altamente aliciantes (...) praticados por influenciadores" e que permitem "o enriquecimento desonesto destes burlões à custa de perdas enormes por parte das pessoas burladas". Nas últimas horas, abaixo-assinado terá ganho uma nova força depois do youtuber 'RedLive13', alcunha pela qual é conhecido na plataforma, ter revelado em alguns vídeos alegadas burlas praticadas por vários populares influenciadores portugueses.  "Estes burlões usam os mercados financeiros como ilusão para o enriquecimento rápido para enganar as pessoas burladas como, por exemplo, forex, ações e criptomoedas, além de promoverem grupos especiais com pagamentos mensais para terem acesso a sinais", lê-se no referido documento.  Adianta o JN que os youtubers Diogo Figueiras (Windoh), Numeiro, David Soares (David GYT) e Fábio Pereira (Ferp) estarão entre os principais visados. Windoh, que há dias vendia cursos de investimento em ações e criptomoedas a 400 euros e que o hacker RedLive13 alega serem burla, já reagiu e diz que as acusações são "rumores" e "blasfémias". "Não é correto o que andam a dizer. Deixem-me de associar a esquemas, porque nunca o fiz", argumentou. É também apontada na petição outra irregularidade que diz respeito à promoção de sites de apostas "online" sem licença para operar em Portugal pelos influenciadores.