Prejuízo de companhias africanas deve chegar a 2 mil milhões de dólares - IATA

 A Associação Internacional dos Transportadores Aéreos (IATA) disse hoje que as perdas das companhias africanas este ano devem atingir os 2 mil milhões de dólares (1,7 mil milhões de euros) este ano e insistiu em apoios públicos ao setor. "O curso do vírus nesta região ainda não foi visto na totalidade, mas ainda assim o fecho das fronteiras basicamente parou os voos", lê-se num comunicado da IATA, divulgado hoje em Genebra, que aponta para perdas globais de 84 mil milhões de dólares (74 mil milhões de euros) e 2 mil milhões de dólares em África. "Os doadores internacionais vão ser necessários para suprir os meios limitados dos governos regionais para implementarem pacotes de ajuda", acrescenta-se na nota. O presidente da IATA, Alexandre de Juniac, citado no comunicado, comentou que “as pessoas vão querer voar outra vez, desde que tenham confiança na sua situação financeira pessoal e nas medidas tomadas para manter os passageiros seguros". "É importante que a indústria e os governos sigam as recomendações para que os passageiros tenham o máximo de garantias sobre a sua segurança e, dependendo da evolução da pandemia, aprofundamento do conhecimento do vírus, ou melhorias científicas, a indústria e o governo vão estar mais bem preparados para uma resposta coordenada globalmente", concluiu. O número de mortos em África devido à covid-19 subiu nas últimas 24 horas para 5.334, mais 159, em quase 196 mil casos, nos 54 países, segundo os dados da pandemia no continente.

Prejuízo de companhias africanas deve chegar a 2 mil milhões de dólares - IATA
 A Associação Internacional dos Transportadores Aéreos (IATA) disse hoje que as perdas das companhias africanas este ano devem atingir os 2 mil milhões de dólares (1,7 mil milhões de euros) este ano e insistiu em apoios públicos ao setor. "O curso do vírus nesta região ainda não foi visto na totalidade, mas ainda assim o fecho das fronteiras basicamente parou os voos", lê-se num comunicado da IATA, divulgado hoje em Genebra, que aponta para perdas globais de 84 mil milhões de dólares (74 mil milhões de euros) e 2 mil milhões de dólares em África. "Os doadores internacionais vão ser necessários para suprir os meios limitados dos governos regionais para implementarem pacotes de ajuda", acrescenta-se na nota. O presidente da IATA, Alexandre de Juniac, citado no comunicado, comentou que “as pessoas vão querer voar outra vez, desde que tenham confiança na sua situação financeira pessoal e nas medidas tomadas para manter os passageiros seguros". "É importante que a indústria e os governos sigam as recomendações para que os passageiros tenham o máximo de garantias sobre a sua segurança e, dependendo da evolução da pandemia, aprofundamento do conhecimento do vírus, ou melhorias científicas, a indústria e o governo vão estar mais bem preparados para uma resposta coordenada globalmente", concluiu. O número de mortos em África devido à covid-19 subiu nas últimas 24 horas para 5.334, mais 159, em quase 196 mil casos, nos 54 países, segundo os dados da pandemia no continente.