PS apela a que TAP responda às necessidades da Região

Numa nota enviada à redação, o PS-Madeira, pela voz de Olavo Câmara, salientou que a Região precisa da TAP, mas que é preciso que a companhia sirva bem a Madeira, os madeirenses, o turismo, assim como as nossas comunidades emigrantes. “Precisamos da TAP com esta visão, que colabore com a Região, que responda às suas necessidades e contribua para o seu desenvolvimento e afirmação”, afirmou o parlamente, na Comissão de Economia, por videoconferência. No entender de Olavo Câmara, a Madeira e a TAP só têm a ganhar uma com a outra, já que a Região precisa de garantir a mobilidade dos seus residentes, de fazer entrar turistas para ajudar a sua economia e tem uma das maiores comunidades emigrantes. “A Região tem de ter uma TAP que não falha com a Madeira, nem esquece o Porto Santo, que é justa, com preços justos, com mais ligações”, apontou, acrescentando que “se há ligações que têm de ser possíveis, sejam viáveis ou não, são precisamente as que ligam as ilhas, as Regiões Autónomas” Já interpelando o presidente do conselho de administração da TAP, Olavo Câmara quis saber se a companhia tem isto em consideração no seu plano e se considera a Madeira estratégica para o seu futuro, questionando ainda se prevê uma manutenção das ligações com a Região ou se haverá algum acréscimo ou redução das mesmas. Miguel Frasquilho, deputado socialista, respondeu que as Regiões Autónomas estão sempre presentes no pensamento da companhia e a prova é que, nos últimos cinco anos, até 2019, a rota para a Madeira passou de 896 mil lugares disponíveis para 1,2 milhões, mais 31%. Em relação ao Porto Santo, disse que a operação está reduzida a 7%, não havendo voos marcados, mas adiantou esperar que a situação seja corrigida muito em breve. Já sobre a Venezuela, lamentou que não seja possível efetuar ligações. Já no que concerne à África do Sul, Miguel Frasquilho disse que faz todo o sentido estabelecer a ligação e espera que os voos possam ocorrer a partir de novembro.

PS apela a que TAP responda às necessidades da Região
Numa nota enviada à redação, o PS-Madeira, pela voz de Olavo Câmara, salientou que a Região precisa da TAP, mas que é preciso que a companhia sirva bem a Madeira, os madeirenses, o turismo, assim como as nossas comunidades emigrantes. “Precisamos da TAP com esta visão, que colabore com a Região, que responda às suas necessidades e contribua para o seu desenvolvimento e afirmação”, afirmou o parlamente, na Comissão de Economia, por videoconferência. No entender de Olavo Câmara, a Madeira e a TAP só têm a ganhar uma com a outra, já que a Região precisa de garantir a mobilidade dos seus residentes, de fazer entrar turistas para ajudar a sua economia e tem uma das maiores comunidades emigrantes. “A Região tem de ter uma TAP que não falha com a Madeira, nem esquece o Porto Santo, que é justa, com preços justos, com mais ligações”, apontou, acrescentando que “se há ligações que têm de ser possíveis, sejam viáveis ou não, são precisamente as que ligam as ilhas, as Regiões Autónomas” Já interpelando o presidente do conselho de administração da TAP, Olavo Câmara quis saber se a companhia tem isto em consideração no seu plano e se considera a Madeira estratégica para o seu futuro, questionando ainda se prevê uma manutenção das ligações com a Região ou se haverá algum acréscimo ou redução das mesmas. Miguel Frasquilho, deputado socialista, respondeu que as Regiões Autónomas estão sempre presentes no pensamento da companhia e a prova é que, nos últimos cinco anos, até 2019, a rota para a Madeira passou de 896 mil lugares disponíveis para 1,2 milhões, mais 31%. Em relação ao Porto Santo, disse que a operação está reduzida a 7%, não havendo voos marcados, mas adiantou esperar que a situação seja corrigida muito em breve. Já sobre a Venezuela, lamentou que não seja possível efetuar ligações. Já no que concerne à África do Sul, Miguel Frasquilho disse que faz todo o sentido estabelecer a ligação e espera que os voos possam ocorrer a partir de novembro.