PSD reforça compromisso com o Funchal

Social-democratas unem esforços para trabalhar em prol de uma cidade que, além de uma estratégia a médio e longo prazo, precisa de respostas urgentes que não chegam, por parte do executivo municipal, a quem mais precisa. Um executivo que, afirmam, "não cumpriu no passado, não cumpre no presente e certamente nada vai cumprir no futuro”. O secretário-geral do PSD-Madeira, José Prada, e o presidente da Comissão Política Concelhia do Funchal, Pedro Gomes, reuniram, hoje, juntamente com a vereação eleita à Câmara Municipal do Funchal, para delinear uma estratégia que, efetivamente, “responda ao que os funchalenses mais precisam neste momento, estratégia essa que não se compadece com anúncios avulsos feitos por quem não cumpriu no passado, não cumpre no presente e certamente nada vai cumprir no futuro”. Criticas fundamentadas na “incapacidade de resposta de um município que esta refém das suas próprias promessas e que se limita a fazer mera propaganda, numa altura em que devia estar mais preocupado com as famílias e com os empresários do concelho, que esperavam e mereciam muito mais do que aquilo que tem sido feito pela autarquia”, afirma Pedro Gomes, refutando, a este propósito, o argumento já gasto de que o executivo não tem verbas para investir em novas ou reforçadas soluções porque o PSD votou contra o Orçamento para 2020. “Isso não é verdade e é preciso lembrar que na base dessa votação, esteve, acima de tudo, a falta de confiança do PSD na gestão deste Município, a mesma falta de confiança que mantemos quando vemos anunciar mundos e fundos até 2030, sem que se cumpra, minimamente, com projetos que, ano após ano, são adiados e quando até temos uma autarquia que se dá ao luxo de ignorar as necessidades básicas dos seus munícipes ou até de nem responder aos empresários que querem investir na cidade”, afirma Pedro Gomes. Isto, sublinha, “a par da falta de sentido democrático que este executivo tem manifestado perante uma oposição que, com ideias válidas – muitas das quais depois aproveitadas como sendo suas – não é tida nem achada, concretamente em momentos que, como este em que vivemos, é necessário contar com todos para seguir em frente”. O presidente da concelhia lembra, entre outras promessas deste executivo por realizar há vários anos, as intervenções na Confeitaria Felisberta, na Estação do Monte, na ETAR do Funchal, no Matadouro e na Ciclovia. Lembra, também, a reabilitação dos Complexos da SocioHabita, a requalificação do Mercado dos Lavradores e a degradada situação da Empresa Municipal Frente MarFunchal. “Estes são apenas alguns dos muitos exemplos que nos fazem duvidar da capacidade deste município em concretizar seja qual for o plano ou estratégia e é precisamente nesse sentido que o PSD está a trabalhar e a concentrar esforços para que possamos, em conjunto, fazer parte das soluções que faltam ao Funchal, em nome das quais, através das nossas diferentes estruturas, reforçaremos a nossa luta”, rematou.

PSD reforça compromisso com o Funchal
Social-democratas unem esforços para trabalhar em prol de uma cidade que, além de uma estratégia a médio e longo prazo, precisa de respostas urgentes que não chegam, por parte do executivo municipal, a quem mais precisa. Um executivo que, afirmam, "não cumpriu no passado, não cumpre no presente e certamente nada vai cumprir no futuro”. O secretário-geral do PSD-Madeira, José Prada, e o presidente da Comissão Política Concelhia do Funchal, Pedro Gomes, reuniram, hoje, juntamente com a vereação eleita à Câmara Municipal do Funchal, para delinear uma estratégia que, efetivamente, “responda ao que os funchalenses mais precisam neste momento, estratégia essa que não se compadece com anúncios avulsos feitos por quem não cumpriu no passado, não cumpre no presente e certamente nada vai cumprir no futuro”. Criticas fundamentadas na “incapacidade de resposta de um município que esta refém das suas próprias promessas e que se limita a fazer mera propaganda, numa altura em que devia estar mais preocupado com as famílias e com os empresários do concelho, que esperavam e mereciam muito mais do que aquilo que tem sido feito pela autarquia”, afirma Pedro Gomes, refutando, a este propósito, o argumento já gasto de que o executivo não tem verbas para investir em novas ou reforçadas soluções porque o PSD votou contra o Orçamento para 2020. “Isso não é verdade e é preciso lembrar que na base dessa votação, esteve, acima de tudo, a falta de confiança do PSD na gestão deste Município, a mesma falta de confiança que mantemos quando vemos anunciar mundos e fundos até 2030, sem que se cumpra, minimamente, com projetos que, ano após ano, são adiados e quando até temos uma autarquia que se dá ao luxo de ignorar as necessidades básicas dos seus munícipes ou até de nem responder aos empresários que querem investir na cidade”, afirma Pedro Gomes. Isto, sublinha, “a par da falta de sentido democrático que este executivo tem manifestado perante uma oposição que, com ideias válidas – muitas das quais depois aproveitadas como sendo suas – não é tida nem achada, concretamente em momentos que, como este em que vivemos, é necessário contar com todos para seguir em frente”. O presidente da concelhia lembra, entre outras promessas deste executivo por realizar há vários anos, as intervenções na Confeitaria Felisberta, na Estação do Monte, na ETAR do Funchal, no Matadouro e na Ciclovia. Lembra, também, a reabilitação dos Complexos da SocioHabita, a requalificação do Mercado dos Lavradores e a degradada situação da Empresa Municipal Frente MarFunchal. “Estes são apenas alguns dos muitos exemplos que nos fazem duvidar da capacidade deste município em concretizar seja qual for o plano ou estratégia e é precisamente nesse sentido que o PSD está a trabalhar e a concentrar esforços para que possamos, em conjunto, fazer parte das soluções que faltam ao Funchal, em nome das quais, através das nossas diferentes estruturas, reforçaremos a nossa luta”, rematou.