Questão da Venezuela "é um tema interno de Portugal"

Paulo Neves é deputado na Assembleia da República, está na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, e ao JM falou sobre as comunidades na Venezuela, um assunto interno e que tem que preocupar o Governo Português. Paulo Neves, deputado na Assembleia da República há alguns anos e está na comissão parlamentar de negócios estrangeiros e comunidades portuguesas, comissão esta que acompanha tudo aquilo que tem a ver com as nossas comunidades. Ao JM, começou por afirmar que “o tema da Venezuela, naturalmente, tem sido bastante falado, bastante debatido”, afirmando que o próprio tem “feito questão, como representante do PSD da Madeira, e sendo deputado da Madeira nesta comissão das comunidades, tenho trazido constantemente o tema da Venezuela para a Comissão”.   Problema interno   O deputado na Assembleia da República apelidou a Venezuela de “tema muito importante”, uma vez que “é um tema interno de Portugal porque estamos a falar de uma comunidade de portugueses que vivem na Venezuela que, entre portugueses e lusodescendentes, são cerca de 400 mil pessoas”. Paulo Neves explicou que tem sugerido ao Governo Português, “que tem de uma forma ou outra correspondido”, apoiar a comunidade “através das associações que já existem no terreno na Venezuela, as associações de emigrantes, sejam a Casa da Madeira ou outras instituições semelhantes”, que é “a melhor forma de apoiar socialmente a comunidade”. O Deputado afirmou que o problema na Venezuela “neste momento, já é um problema humanitário, além de político”, descrevendo que existem “mais refugiados venezuelanos do que refugiados sírios, estamos a falar, de facto, de uma situação quase apocalíptica”. A crise política foi outra das questões abordadas. “Temos também a crise política, vive-se num impasse político na Venezuela”. O deputado afirma que Portugal “deve contribuir e tudo fazer para que o regular funcionamento das instituições do país regresse”, como os tribunais, imprensa e o parlamento, reforçando o papel importante da Europa “porque há 3 países na Europa, Portugal, Espanha e Itália que têm grandes comunidades na Venezuela”. “Devemos tudo fazer para pressionar uma solução política na Venezuela”, rematou. Leia tudo na íntegra na edição impressa de hoje do JM.

Questão da Venezuela "é um tema interno de Portugal"
Paulo Neves é deputado na Assembleia da República, está na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, e ao JM falou sobre as comunidades na Venezuela, um assunto interno e que tem que preocupar o Governo Português. Paulo Neves, deputado na Assembleia da República há alguns anos e está na comissão parlamentar de negócios estrangeiros e comunidades portuguesas, comissão esta que acompanha tudo aquilo que tem a ver com as nossas comunidades. Ao JM, começou por afirmar que “o tema da Venezuela, naturalmente, tem sido bastante falado, bastante debatido”, afirmando que o próprio tem “feito questão, como representante do PSD da Madeira, e sendo deputado da Madeira nesta comissão das comunidades, tenho trazido constantemente o tema da Venezuela para a Comissão”.   Problema interno   O deputado na Assembleia da República apelidou a Venezuela de “tema muito importante”, uma vez que “é um tema interno de Portugal porque estamos a falar de uma comunidade de portugueses que vivem na Venezuela que, entre portugueses e lusodescendentes, são cerca de 400 mil pessoas”. Paulo Neves explicou que tem sugerido ao Governo Português, “que tem de uma forma ou outra correspondido”, apoiar a comunidade “através das associações que já existem no terreno na Venezuela, as associações de emigrantes, sejam a Casa da Madeira ou outras instituições semelhantes”, que é “a melhor forma de apoiar socialmente a comunidade”. O Deputado afirmou que o problema na Venezuela “neste momento, já é um problema humanitário, além de político”, descrevendo que existem “mais refugiados venezuelanos do que refugiados sírios, estamos a falar, de facto, de uma situação quase apocalíptica”. A crise política foi outra das questões abordadas. “Temos também a crise política, vive-se num impasse político na Venezuela”. O deputado afirma que Portugal “deve contribuir e tudo fazer para que o regular funcionamento das instituições do país regresse”, como os tribunais, imprensa e o parlamento, reforçando o papel importante da Europa “porque há 3 países na Europa, Portugal, Espanha e Itália que têm grandes comunidades na Venezuela”. “Devemos tudo fazer para pressionar uma solução política na Venezuela”, rematou. Leia tudo na íntegra na edição impressa de hoje do JM.