Restrições e exceções serão determinadas hoje pelo Conselho de Ministros

Na prática, na Região, vigoram ainda as determinações que o Governo Regional foi divulgando nos últimos dias. O que ficou definido ontem, a partir da declaração do Estado de Emergência, pelo Presidente da República, foi o cardápio do leque de restrições e obrigações que o Governo da República pode aplicar. Entrou, de facto, em vigor logo pelas 00h00, mas só hoje, por via do Conselho de Ministro, serão divulgadas as medidas concretas. Ou seja, na prática, ao início da manhã desta quinta-feira, na Região vigora exatamente o mesmo que reinava anteriormente. De resto, a legislação que foi sendo produzida pelo Governo regional desde a passada sexta-feira até ontem, já contemplava muitas das medidas que porventura serão agora também aplicadas no resto do território nacional. Lojas de bens essenciais, como supermercados, farmácias, padarias e outros deste calibre, serão sempre salvaguardadas e, para já, a restauração, cumprindo-se o que estava já determinada no que respeita ao número de pessoas no interior dos estabelecimentos ou funcionamento de esplanadas, mantém-se tal como estava. Na Região, a própria ARAE aguarda com expetativa essas determinações que sairão do Conselho de Ministros, para então atuar, sendo certo que já está no tereno nesta manhã, amas ainda munidos das determinações anteriores. Falta atualizá-las e isso irá, então, acontecer durante o dia de hoje. Numa pequena ronda pela cidade, é fácil constar, contudo, que muitos dos estabelecimentos já encerraram, mesmo no que toca a pequenos cafés, quer por precaução dos seus próprios funcionários, quer pela evidente perceção de que não haverá clientes. Mas, para já, o movimento da rua confirma que a expetativa é enorme em relação a esse pacote de restrições e exceções, a ser divulgado, assemelhando-se ao sucedido, por exemplo, no dia de ontem. Reduzido, mas ainda real.

Restrições e exceções serão determinadas hoje pelo Conselho de Ministros
Na prática, na Região, vigoram ainda as determinações que o Governo Regional foi divulgando nos últimos dias. O que ficou definido ontem, a partir da declaração do Estado de Emergência, pelo Presidente da República, foi o cardápio do leque de restrições e obrigações que o Governo da República pode aplicar. Entrou, de facto, em vigor logo pelas 00h00, mas só hoje, por via do Conselho de Ministro, serão divulgadas as medidas concretas. Ou seja, na prática, ao início da manhã desta quinta-feira, na Região vigora exatamente o mesmo que reinava anteriormente. De resto, a legislação que foi sendo produzida pelo Governo regional desde a passada sexta-feira até ontem, já contemplava muitas das medidas que porventura serão agora também aplicadas no resto do território nacional. Lojas de bens essenciais, como supermercados, farmácias, padarias e outros deste calibre, serão sempre salvaguardadas e, para já, a restauração, cumprindo-se o que estava já determinada no que respeita ao número de pessoas no interior dos estabelecimentos ou funcionamento de esplanadas, mantém-se tal como estava. Na Região, a própria ARAE aguarda com expetativa essas determinações que sairão do Conselho de Ministros, para então atuar, sendo certo que já está no tereno nesta manhã, amas ainda munidos das determinações anteriores. Falta atualizá-las e isso irá, então, acontecer durante o dia de hoje. Numa pequena ronda pela cidade, é fácil constar, contudo, que muitos dos estabelecimentos já encerraram, mesmo no que toca a pequenos cafés, quer por precaução dos seus próprios funcionários, quer pela evidente perceção de que não haverá clientes. Mas, para já, o movimento da rua confirma que a expetativa é enorme em relação a esse pacote de restrições e exceções, a ser divulgado, assemelhando-se ao sucedido, por exemplo, no dia de ontem. Reduzido, mas ainda real.