Sara Madruga da Costa apela “a que se faça justiça a favor da Zona Franca da Madeira”

“Não podemos aceitar que os 6 mil trabalhadores que fazem parte da Zona Franca da Madeira sejam ainda mais penalizados e é por isso que esperamos que, neste último dia de votações, a Assembleia da República possa fazer justiça e aprovar uma proposta que viabiliza a prorrogação dos benefícios fiscais, a partir de janeiro de 2021, às mais de 2 mil empresas que aqui estão em causa”, alertou, hoje, a deputada Sara Madruga da Costa, num último apelo a que os deputados se unam em torno da defesa da Madeira e validem uma “proposta que garante a competitividade e a manutenção de tudo aquilo que o CINM representa para a Região”. Deputada que, lembrando os postos de trabalho em causa mas, também, os cerca de 120 milhões de euros de receita fiscal que a Zona Franca representa, disse mesmo ser “inaceitável que esta oportunidade de fazer a diferença e de resolver uma situação que há mais de cinco meses já podia ter sido resolvida, pelo Governo da República, não seja, hoje, validada pelo parlamento nacional”. A verdade, sublinhou, “é que, ano após ano, nós, Madeirenses, temos sido fortemente prejudicados, tanto por um Governo da República que simplesmente ignora as nossas reivindicações, quanto pelos Orçamentos de Estado apresentados, que não atendem àquilo que são as nossas necessidades e nem sequer assumem os compromissos para com a Região”, realidade que, sendo de lamentar, torna-se ainda mais difícil de compreender num ano “particularmente difícil como este, em que a defesa da Madeira deveria estar primeiro e antes de quaisquer outros interesses político partidários”. Sara Madruga da Costa que, reiterando não haver tempo a perder e vincando a urgência da solução que a proposta para a Zona Franca preconiza, espera que todos os deputados eleitos pela Madeira votem a favor, deixando, assim, um apelo aos socialistas madeirenses para que, “ao menos nesta matéria, não fiquem do lado de António Costa mas, sim, ao lado dos Madeirenses”.

Sara Madruga da Costa apela “a que se faça justiça a favor da Zona Franca da Madeira”
“Não podemos aceitar que os 6 mil trabalhadores que fazem parte da Zona Franca da Madeira sejam ainda mais penalizados e é por isso que esperamos que, neste último dia de votações, a Assembleia da República possa fazer justiça e aprovar uma proposta que viabiliza a prorrogação dos benefícios fiscais, a partir de janeiro de 2021, às mais de 2 mil empresas que aqui estão em causa”, alertou, hoje, a deputada Sara Madruga da Costa, num último apelo a que os deputados se unam em torno da defesa da Madeira e validem uma “proposta que garante a competitividade e a manutenção de tudo aquilo que o CINM representa para a Região”. Deputada que, lembrando os postos de trabalho em causa mas, também, os cerca de 120 milhões de euros de receita fiscal que a Zona Franca representa, disse mesmo ser “inaceitável que esta oportunidade de fazer a diferença e de resolver uma situação que há mais de cinco meses já podia ter sido resolvida, pelo Governo da República, não seja, hoje, validada pelo parlamento nacional”. A verdade, sublinhou, “é que, ano após ano, nós, Madeirenses, temos sido fortemente prejudicados, tanto por um Governo da República que simplesmente ignora as nossas reivindicações, quanto pelos Orçamentos de Estado apresentados, que não atendem àquilo que são as nossas necessidades e nem sequer assumem os compromissos para com a Região”, realidade que, sendo de lamentar, torna-se ainda mais difícil de compreender num ano “particularmente difícil como este, em que a defesa da Madeira deveria estar primeiro e antes de quaisquer outros interesses político partidários”. Sara Madruga da Costa que, reiterando não haver tempo a perder e vincando a urgência da solução que a proposta para a Zona Franca preconiza, espera que todos os deputados eleitos pela Madeira votem a favor, deixando, assim, um apelo aos socialistas madeirenses para que, “ao menos nesta matéria, não fiquem do lado de António Costa mas, sim, ao lado dos Madeirenses”.