Seis líderes europeus querem angariar 7.500 milhões de euros na segunda-feira

Seis líderes europeus, incluindo o Presidente francês, Emmanuel Macron, e a chanceler alemã, Angela Merkel, defendem que a conferência 'online' marcada para segunda-feira consiga angariar 7.500 milhões de euros para a luta global contra a covid-19. Esse número, dizem, deve ser apenas o começo da iniciativa “Acelerador ACT (Access to covid-19 Tools), e servirá para desenvolver rapidamente “diagnósticos, tratamentos e vacinas que ajudarão o planeta a superar a pandemia”, lê-se num artigo publicado pelo jornal francês ‘Le Journal du Dimanche’, assinado pelos seis dirigentes europeus e citado pela agência de notícias espanhola EFE. França, Espanha, Alemanha, Reino Unido, Itália, União Europeia, a fundação Gates, a Comissão Europeia e a União Africana são alguns dos parceiros desta iniciativa, lançada em 24 de abril pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que terá, na segunda-feira, 04 de maio, a primeira reunião, ‘online’ de angariação de fundos. Além de Mácron e Merkel, assinam este artigo a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von Der Leyen, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, o primeiro-ministro de Itália, Giuseppe Conte, e a primeira-ministra da Noruega, Erna Solberg, os quais sublinham que esta iniciativa pretende “cobrir o défice estimado de financiamento mundial”. A esse respeito, insistem que os 7.500 milhões de euros (8.000 milhões de dólares) não cobrem mais do que as necessidades iniciais, porque o “fabrico e o fornecimento de medicamentos à escala mundial necessitam de recursos muito superiores”. O dinheiro arrecadado, explicam, servirá para lançar “uma cooperação global sem precedentes entre cientistas e reguladores, indústria e governos, organizações internacionais, fundações e profissionais de saúde”. A verba será canalizada principalmente através de organizações de saúde “reconhecidas”, como a Coligação para as Inovações e Preparação para Epidemias (CEPI) e a Aliança Global para Vacinas e Vacinação (GAVI), o Unitaid. Os seis líderes europeus manifestam ainda o seu apoio à OMS, fortemente atacada nesta crise pandémica pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Estes dirigentes europeus justificam a iniciativa com o facto de o novo coronavírus estar a propagar-se por todo o mundo e que as consequências da epidemia e as medidas de confinamento para enfrentá-la “podem ser particularmente dramáticas em África e nos países do sul”. Reconhecem ainda que ninguém tem muita certeza sobre a evolução da pandemia, mas também salientam que ninguém pode derrotar a covid-19 sozinho. Todos têm “um interesse comum na luta contra o vírus” e, para se protegerem, todos devem ser protegidos, referem.

Seis líderes europeus querem angariar 7.500 milhões de euros na segunda-feira
Seis líderes europeus, incluindo o Presidente francês, Emmanuel Macron, e a chanceler alemã, Angela Merkel, defendem que a conferência 'online' marcada para segunda-feira consiga angariar 7.500 milhões de euros para a luta global contra a covid-19. Esse número, dizem, deve ser apenas o começo da iniciativa “Acelerador ACT (Access to covid-19 Tools), e servirá para desenvolver rapidamente “diagnósticos, tratamentos e vacinas que ajudarão o planeta a superar a pandemia”, lê-se num artigo publicado pelo jornal francês ‘Le Journal du Dimanche’, assinado pelos seis dirigentes europeus e citado pela agência de notícias espanhola EFE. França, Espanha, Alemanha, Reino Unido, Itália, União Europeia, a fundação Gates, a Comissão Europeia e a União Africana são alguns dos parceiros desta iniciativa, lançada em 24 de abril pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que terá, na segunda-feira, 04 de maio, a primeira reunião, ‘online’ de angariação de fundos. Além de Mácron e Merkel, assinam este artigo a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von Der Leyen, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, o primeiro-ministro de Itália, Giuseppe Conte, e a primeira-ministra da Noruega, Erna Solberg, os quais sublinham que esta iniciativa pretende “cobrir o défice estimado de financiamento mundial”. A esse respeito, insistem que os 7.500 milhões de euros (8.000 milhões de dólares) não cobrem mais do que as necessidades iniciais, porque o “fabrico e o fornecimento de medicamentos à escala mundial necessitam de recursos muito superiores”. O dinheiro arrecadado, explicam, servirá para lançar “uma cooperação global sem precedentes entre cientistas e reguladores, indústria e governos, organizações internacionais, fundações e profissionais de saúde”. A verba será canalizada principalmente através de organizações de saúde “reconhecidas”, como a Coligação para as Inovações e Preparação para Epidemias (CEPI) e a Aliança Global para Vacinas e Vacinação (GAVI), o Unitaid. Os seis líderes europeus manifestam ainda o seu apoio à OMS, fortemente atacada nesta crise pandémica pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Estes dirigentes europeus justificam a iniciativa com o facto de o novo coronavírus estar a propagar-se por todo o mundo e que as consequências da epidemia e as medidas de confinamento para enfrentá-la “podem ser particularmente dramáticas em África e nos países do sul”. Reconhecem ainda que ninguém tem muita certeza sobre a evolução da pandemia, mas também salientam que ninguém pode derrotar a covid-19 sozinho. Todos têm “um interesse comum na luta contra o vírus” e, para se protegerem, todos devem ser protegidos, referem.