TAP solicita autorização a Angola e a Cabo Verde para realizar mais dois voos extra para ir buscar portugueses

A Companhia aérea portuguesa, em colaboração com o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE), informou esta manhã em comunicado que solicitou ao Governo de Angola e de Cabo Verde autorização para a realização de mais dois voos extra que têm como objetivo continuar a trazer de volta a casa e às suas famílias mais de 400 portugueses, bem como transportar carga médica e humanitária. Os voos, de ida-e-volta para Praia, em Cabo Verde, e de Luanda, em Angola, para Lisboa, estão previstos para sexta-feira, dia 27 de março.   Os voos já foram colocados em sistema (subject to governamental approval), sendo que as reservas poderão ser feitas no site da TAP, www.flytap.com, ou nas agências de viagens.   A TAP, em colaboração com o MNE, garante "todas as condições de segurança e operacionais para a realização destes dois voos que – à semelhança dos voos extra operados pela Companhia para África ao longo desta semana - estão a realizar-se em condições operacionais atípicas, motivadas pelas diversas restrições impostas por governos e autoridades. A Companhia e todos os seus colaboradores estão, em condições extremamente adversas, a fazer o seu melhor, todos os dias, para viabilizar estas complexas operações, empenhados em trazer de volta a casa os portugueses, neste momento delicado", lê-se na referida nota.   O Governo de Cabo Verde implementou restrições aos voos oriundos de Portugal, de outros países europeus com focos epidemiológicos Covid-19, do Brasil, EUA, Senegal e Nigéria. Considerando que os tempos de voo o permitem a TAP realizará  voos de ida e volta.   Já em Angola, não é permitida a entrada de passageiros e tripulantes de companhias aéreas vindas na China (Rep. Popular), França, Irã, Itália, Coréia (Rep.), Portugal ou Espanha. Residentes de Angola, tripulantes de companhias aéreas e nacionais de Angola que cheguem ou tenham estado na China (República Popular), França, Irã, Itália, Coreia (República), Portugal ou Espanha serão colocados em quarentena durante 14 dias. O estado de emergência em Angola foi decretado esta quarta-feira, entrando em vigor às 00:01 horas do dia 28 de março, sábado.   De modo a viabilizar esta rota, no contexto atual, cumprindo todos os requisitos regulamentares de segurança e tempos de descanso das Tripulações, a TAP informa que voará Lisboa-Luanda e Luanda-Faro-Lisboa, trocado a tripulação em Faro e assegurando que as tripulações não ficam de quarentena em Luanda, conforme prescrito pelas autoridades angolanas. O voo de Luanda será operado por um A330-900neo com capacidade de trazer 298 passageiros.   A TAP refere ainda que o Contact Center da Companhia está a receber um elevado número de chamadas e lamenta a inconveniência que esta situação possa causar aos seus Clientes. "A Companhia está a fazer todos os esforços para ajudar todos os Clientes para que a resposta seja o mais célere possível". 

TAP solicita autorização a Angola e a Cabo Verde para realizar mais dois voos extra para ir buscar portugueses
A Companhia aérea portuguesa, em colaboração com o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE), informou esta manhã em comunicado que solicitou ao Governo de Angola e de Cabo Verde autorização para a realização de mais dois voos extra que têm como objetivo continuar a trazer de volta a casa e às suas famílias mais de 400 portugueses, bem como transportar carga médica e humanitária. Os voos, de ida-e-volta para Praia, em Cabo Verde, e de Luanda, em Angola, para Lisboa, estão previstos para sexta-feira, dia 27 de março.   Os voos já foram colocados em sistema (subject to governamental approval), sendo que as reservas poderão ser feitas no site da TAP, www.flytap.com, ou nas agências de viagens.   A TAP, em colaboração com o MNE, garante "todas as condições de segurança e operacionais para a realização destes dois voos que – à semelhança dos voos extra operados pela Companhia para África ao longo desta semana - estão a realizar-se em condições operacionais atípicas, motivadas pelas diversas restrições impostas por governos e autoridades. A Companhia e todos os seus colaboradores estão, em condições extremamente adversas, a fazer o seu melhor, todos os dias, para viabilizar estas complexas operações, empenhados em trazer de volta a casa os portugueses, neste momento delicado", lê-se na referida nota.   O Governo de Cabo Verde implementou restrições aos voos oriundos de Portugal, de outros países europeus com focos epidemiológicos Covid-19, do Brasil, EUA, Senegal e Nigéria. Considerando que os tempos de voo o permitem a TAP realizará  voos de ida e volta.   Já em Angola, não é permitida a entrada de passageiros e tripulantes de companhias aéreas vindas na China (Rep. Popular), França, Irã, Itália, Coréia (Rep.), Portugal ou Espanha. Residentes de Angola, tripulantes de companhias aéreas e nacionais de Angola que cheguem ou tenham estado na China (República Popular), França, Irã, Itália, Coreia (República), Portugal ou Espanha serão colocados em quarentena durante 14 dias. O estado de emergência em Angola foi decretado esta quarta-feira, entrando em vigor às 00:01 horas do dia 28 de março, sábado.   De modo a viabilizar esta rota, no contexto atual, cumprindo todos os requisitos regulamentares de segurança e tempos de descanso das Tripulações, a TAP informa que voará Lisboa-Luanda e Luanda-Faro-Lisboa, trocado a tripulação em Faro e assegurando que as tripulações não ficam de quarentena em Luanda, conforme prescrito pelas autoridades angolanas. O voo de Luanda será operado por um A330-900neo com capacidade de trazer 298 passageiros.   A TAP refere ainda que o Contact Center da Companhia está a receber um elevado número de chamadas e lamenta a inconveniência que esta situação possa causar aos seus Clientes. "A Companhia está a fazer todos os esforços para ajudar todos os Clientes para que a resposta seja o mais célere possível".