Turquia detém 18 suspeitos de pertencerem ao grupo extremista Estado Islâmico

 As autoridades turcas detiveram hoje 18 cidadãos estrangeiros em Ancara, acusados de pertencerem ao grupo extremista Estado Islâmico (EI), informou a agência oficial de Anadolu. O Ministério Público emitiu um mandado de prisão para 20 pessoas e as forças de segurança continuam a operação para prender dois outros supostos membros do EI. Os suspeitos são 18 iraquianos e dois sírios que estariam ligados à organização na Síria. Os detidos foram levados para a sede da polícia antiterrorismo de Ancara, onde foram interrogados. Até ao momento, neste ano, 350 alegados membros do Estado Islâmico foram detidos na Turquia, anunciou o Ministério do Interior turco. Embora o último ataque do EI na Turquia tenha ocorrido na véspera de Ano Novo de 2016, o país parece desempenhar um papel de retaguarda para a organização, tanto para recrutamento e arrecadação de fundos quanto para a transferência de membros europeus ou asiáticos para a frente de combate na Síria. Na sexta-feira passada, a embaixada dos Estados Unidos na Turquia suspendeu o atendimento consular ao público devido a suspeitas de "ataques terroristas e sequestros" de cidadãos norte-americanos e outros estrangeiros em Istambul e em outras cidades do país.

Turquia detém 18 suspeitos de pertencerem ao grupo extremista Estado Islâmico
 As autoridades turcas detiveram hoje 18 cidadãos estrangeiros em Ancara, acusados de pertencerem ao grupo extremista Estado Islâmico (EI), informou a agência oficial de Anadolu. O Ministério Público emitiu um mandado de prisão para 20 pessoas e as forças de segurança continuam a operação para prender dois outros supostos membros do EI. Os suspeitos são 18 iraquianos e dois sírios que estariam ligados à organização na Síria. Os detidos foram levados para a sede da polícia antiterrorismo de Ancara, onde foram interrogados. Até ao momento, neste ano, 350 alegados membros do Estado Islâmico foram detidos na Turquia, anunciou o Ministério do Interior turco. Embora o último ataque do EI na Turquia tenha ocorrido na véspera de Ano Novo de 2016, o país parece desempenhar um papel de retaguarda para a organização, tanto para recrutamento e arrecadação de fundos quanto para a transferência de membros europeus ou asiáticos para a frente de combate na Síria. Na sexta-feira passada, a embaixada dos Estados Unidos na Turquia suspendeu o atendimento consular ao público devido a suspeitas de "ataques terroristas e sequestros" de cidadãos norte-americanos e outros estrangeiros em Istambul e em outras cidades do país.