Presidente da Conferência Episcopal saúda São Bartolomeu dos Mártires

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou hoje a canonização de São Bartolomeu dos Mártires, arcebispo do século XVI, que apresentou como exemplo da “evangelização essencial”. “A canonização de São Bartolomeu dos Mártires...

Presidente da Conferência Episcopal saúda São Bartolomeu dos Mártires
O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou hoje a canonização de São Bartolomeu dos Mártires, arcebispo do século XVI, que apresentou como exemplo da “evangelização essencial”. “A canonização de São Bartolomeu dos Mártires relembra-nos uma altíssima figura da evangelização essencial – que, nalguns casos, quase foi também a primeira, face a grandes ignorâncias e contradições de fé e costumes com que se deparou”, declarou D. Manuel Clemente, no discurso de abertura da 197ª Assembleia Plenária da CEP. Entre sábado e domingo, as dioceses de Viana e de Braga acolheram celebrações de ação de graças pela canonização de São Bartolomeu dos Mártires, incluindo a leitura do decreto que reconhece a santidade do arcebispo português. D. Manuel Clemente destaca a coincidência destas celebrações com a “Semana dos Seminários” 2019, que decorre a domingo, acentuando “a importância que o ilustre arcebispo de Braga teve na última sessão do Concílio de Trento (1562-1563), especialmente no que se refere à formação do clero secular, então muito incipiente”. “Conseguiu no seu tempo o que pretendemos também agora, de modo especial nos nossos Seminários e Escolas Teológicas: pastores à altura da evangelização que nos reclama. O Santo Arcebispo nos acompanhará decerto”, acrescentou. O presidente da CEP aludiu ainda ao final do Ano Missionário Extraordinário, em outubro, relançado que “o desafio cultural da missão” exige, na atualidade, “mais capacidade de escuta e mais disponibilidade dialogante”. “Tal não significa, de modo algum, esquecer ou enfraquecer os horizontes mais distantes da missão. Trata-se, isso sim, de potenciar mutuamente a missão ao perto e a missão ao longe”, precisou. A Assembleia Plenária da CEP decorre até quinta-feira, abordando, entre outros temas, a preparação da Jornada Mundial da Juventude de 2022, que vai decorrer em Lisboa. O cardeal-patriarca falou numa “oportunidade e desafio” para a Igreja Católica e a sociedade portuguesa. Os bispos vão ainda analisar a tradução portuguesa do Missal Romano. No início dos trabalhos, D. Manuel Clemente saudou o novo núncio apostólico, D. Ivo Scapolo. “Desejo-lhe as maiores felicidades no desempenho da sua missão junto do Estado e da Igreja em Portugal”, referiu. Esta quinta-feira, após o encerramento da Assembleia, vai decorrer uma conferência de imprensa, pelas 14h30, na qual será apresentado o comunicado final. A CEP foi formalmente reconhecida a seguir ao Concílio Vaticano II, em 1967, com a ratificação pela Santa Sé dos primeiros Estatutos aprovados na Assembleia Plenária de 16 de maio, revistos posteriormente em 1977, 1984, 1999 e 2005; é o conjunto dos bispos das dioceses que, para melhor exercerem as suas funções pastorais, põem em comum preocupações e experiências, acertam critérios de ação e coordenam esforços.