2019 foi ano de investimento e transformação sem precedentes para a TAP

Em 2019, a TAP investiu de uma forma sem precedentes na história da Companhia, permitindo uma transformação sem paralelo na indústria do transporte aéreo a nível mundial no ano passado, privilegiando a visão de longo prazo. A Transportadora...

2019 foi ano de investimento e transformação sem precedentes para a TAP
Em 2019, a TAP investiu de uma forma sem precedentes na história da Companhia, permitindo uma transformação sem paralelo na indústria do transporte aéreo a nível mundial no ano passado, privilegiando a visão de longo prazo. A Transportadora recebeu 30 novos aviões de última geração, inaugurou 11 novas rotas e contratou cerca de 900 novos trabalhadores em 2019. O Grupo TAP é, no seu conjunto, um dos maiores empregadoras em Portugal e no período de 2015 a 2019 criou perto de dois mil novos postos de trabalho, passando de 8 615, em 2015, para 10 617 em 2019, todos eles altamente qualificados. O investimento no crescimento da Companhia aumentou em 28% as contribuições e impostos ao Estado português, passando de 257 milhões de euros por ano para 328 milhões de euros, nos últimos quatro anos (um acrescimento de 71 milhões de euros por ano). A TAP foi a empresa que mais investiu em Portugal em 2019, tendo registado mais de 1,5 mil milhões de euros em investimento, incluindo a compra de 30 aviões novos, que permitiu a renovação de 70% da frota de Longo Curso num só ano. A TAP terminou o ano de 2019 com uma das frotas do Longo Curso mais jovens do mundo. O processo que envolve a gestão da entrada das 30 novas aeronaves e a saída de 18 antigas teve um impacto financeiro negativo de 55 milhões de euros no resultado do ano. Contudo, a renovação da frota foi determinante, no segundo semestre, para melhorar a eficiência (custo operacional mais baixo) e a satisfação do cliente. A frota NEO tem provado ser extremamente eficiente, com menor emissões de CO2, permitiu à Companhia reduzir a emissão de CO2 em aproximadamente 170 mil toneladas. Verificando-se uma redução de 17% no indicador de CO2 por passageiro face a 2015, e significativa redução de custos operacionais. Em 2019, a satisfação do Cliente medida pelo NPS (Net Promoter Score) melhorou aproximadamente 45%, registando subidas expressivas em todos os elementos avaliados (atendimento a bordo, bebidas, comida, embarque, conforto, etc.). O forte investimento feito pela Companhia na satisfação do Cliente melhorou a pontuação NPS que já quase duplicou, passando de 22 pontos em 2017, para 38 pontos em 2019. A TAP investiu ainda fortemente na pontualidade, que subiu seis pontos percentuais, e na regularidade da operação, que ficou nos 99,2% em 2019, em comparação com os 98,2% registados em 2018 (o que representa cerca de menos 1400 voos cancelados face ao ano anterior). A título de exemplo, a Companhia garante agora a disponibilidade de três aviões de reserva, com um custo de centenas de milhares de euros por ano, para normalizar rapidamente qualquer irregularidade da operação. Foram ainda realizados importantes investimentos em IT, dotando a TAP dos mais avançados sistemas informáticos de suporte. Contudo, a falta de investimento na capacidade do aeroporto de Lisboa e o congestionamento do espaço aéreo tiveram o efeito contrário e impactaram negativamente em aproximadamente nove pontos percentuais a pontualidade da operação da TAP, tendo sido penalizada com um custo por passageiro em termos de indemnizações por irregularidades de mais do dobro do benchmark ibérico. Em 2019 a TAP foi penalizada entre 30 milhões  de  euros a 35 milhões de euros em resultado da ineficácia da infraestrutura. Durante o ano passado, a TAP teve a capacidade de se financiar no mercado de capitais nacional e internacional, no valor de 575 milhões de euros, mantendo uma posição muito saudável de tesouraria e alongando o prazo de maturidade da sua dívida. Esta é uma inequívoca demonstração de confiança e credibilidade, de mais de seis mil famílias portuguesas e de dezenas de grandes investidores internacionais e nacionais, nas evidências dos resultados de implementação do projeto estratégico da TAP. Ainda durante 2019, a consolidação do turnaround implementado em 2018 na ME Brasil permitiu atingir, pela primeira vez um EBITDAR positivo, que contribui para as contas do Grupo no valor de 3,1 milhões de euros. Não houve qualquer envio de recursos da TAP SGPS para a subsidiária ME Brasil em 2019, o que compara com a transferência de 30 milhões de euros em 2018.