“A história está pejada de cadáveres de homens que se julgaram providenciais”, Carlos Rodrigues

A afirmação é de Carlos Rodrigues, com o deputado social democrata a visar, diretamente, Paulo Cafôfo. Recusando, por antecipação, quaisquer interpretações da sua frase que não seja exclusivamente a ‘morte política’, Carlos Rodrigues diz que “o que hoje se assistiu aqui [no plenário] foi à assunção de que o PS Madeira transformou-se num homem único providencial”. A leitura deriva do que ouviu no ‘confronto’ dos socialistas com Pedro Calado, em que apenas se ouviu “eu, eu, eu, eu e mais eu...” Carlos Rodrigues elogiou ainda Carlos Pereira, o anterior presidente, o único onde deteta condições para liderar os socialistas na Madeira. Que foi “afastado por um grupo de independentes”, exaltou.

“A história está pejada de cadáveres de homens que se julgaram providenciais”, Carlos Rodrigues
A afirmação é de Carlos Rodrigues, com o deputado social democrata a visar, diretamente, Paulo Cafôfo. Recusando, por antecipação, quaisquer interpretações da sua frase que não seja exclusivamente a ‘morte política’, Carlos Rodrigues diz que “o que hoje se assistiu aqui [no plenário] foi à assunção de que o PS Madeira transformou-se num homem único providencial”. A leitura deriva do que ouviu no ‘confronto’ dos socialistas com Pedro Calado, em que apenas se ouviu “eu, eu, eu, eu e mais eu...” Carlos Rodrigues elogiou ainda Carlos Pereira, o anterior presidente, o único onde deteta condições para liderar os socialistas na Madeira. Que foi “afastado por um grupo de independentes”, exaltou.