“Ainda há muito a fazer para uma cultura da diversidade”, defende Filipe Olim

Filipe Olim, dirigente associativo e membro da rede ex aequo - associação de jovens LGBTI e apoiantes, foi o convidado, esta tarde, da CDU, para um dos debates integrados no ciclo das ‘Segundas Conversas’. Subordinado ao tema ‘O ‘I’ de LGBTI...

“Ainda há muito a fazer para uma cultura da diversidade”, defende Filipe Olim
Filipe Olim, dirigente associativo e membro da rede ex aequo - associação de jovens LGBTI e apoiantes, foi o convidado, esta tarde, da CDU, para um dos debates integrados no ciclo das ‘Segundas Conversas’. Subordinado ao tema ‘O ‘I’ de LGBTI não é de Indiferença’, neste debate foi sublinhada a importância de se aprofundar uma política de igualdade. Para tal, realçou este partido, numa nota enviada à comunicação social, “importará concretizar uma educação para a aceitação das diferenças”. “É necessário, por isso, reafirmar que o género, a orientação sexual, a etnia ou o credo não podem ser fatores de diminuição dos direitos de cada cidadão. É nas diferentes características de cada um que está a riqueza e a diversidade da sociedade plural”, defende a CDU. “Apesar dos avanços já realizados em Portugal, ainda há muito a fazer no plano legal e, sobretudo, ao nível da consciência das pessoas para uma cultura da diversidade”, afiançou, por seu turno, Filipe Olim, à direita na fotografia. “Importa trabalhar muito mais para vencer as formas de discriminação negativas que ainda existem”, sustentou ainda.