Albuquerque antevê derrotas de Costa e “fantoche na Madeira” e rejeita Conselho de Concertação

O presidente do PSD/M garante que o partido “está mais vivo do que nunca, está unido, mobilizado e está preparado para vencer as ‘Regionais’ em setembro e as ‘Nacionais’ em outubro”, prometendo fazer frente a António Costa. Refere que os “madeirenses...

Albuquerque antevê derrotas de Costa e “fantoche na Madeira” e rejeita Conselho de Concertação
O presidente do PSD/M garante que o partido “está mais vivo do que nunca, está unido, mobilizado e está preparado para vencer as ‘Regionais’ em setembro e as ‘Nacionais’ em outubro”, prometendo fazer frente a António Costa. Refere que os “madeirenses e portosantenses não vão em cantigas, não vão colocar comunistas, socialistas e mais extremistas a governar uma região que é exemplo de crescimento” e não tem dúvidas em vaticinar que “António Costa vai sofrer a segunda derrota no dia 22 de setembro aqui na Madeira”. E vai mais longe: “Aqui na Madeira, António Costa vai sofrer a terceira derrota no dia 6 de outubro, aqui vamos ganhar. E vamos ganhar com o nosso povo, que conhece a sua história, sabe que viveu mais de 500 anos de discriminação e exploração pelo poder colonial de Lisboa.” Conclui, portanto, que “ninguém é masoquista para entregar o poder a um bando de incompetentes, que iam dar cabo do progresso da RAM”. E deixou por isso uma palavra de ordem: “Abaixo o colonialismo, viva a Madeira livre” As críticas aos adversários para as Regionais também foram incisivas. “É fantástico assistirmos aos empregados do António Costa, que nem uma cidade conseguem limpar, pensarem que podem enganar os madeirenses, que não vão a governar a Madeira aqueles que são mandados pelo Terreiro do Paço”. Aliás, rejeita mesmo a proposta de criação do Conselho de Concertação para as Autonomias que consta no plano de Governo de António Costa. “Não precisamos de enquadrar nem enclausurar a nossa autonomia”, explica- Lembrou que o seu Governo “cumpriu integralmente os compromissos que tinha assumido com o povo” e que a Madeira foi “a única região do país que baixou os impostos para as famílias e para as empresas”, mas também vincou os apoios para a Saúde, Segurança Social, as políticas sociais de apoio, entre outros incentivos, não se esquecendo também de enaltecer que a “Madeira é a única Região que tem superavit orçamental, que tem saldo positivo na balança comercial”, para depois voltar a atacar a geringonça. “O que aconteceu no continente foi uma mentira, um logro e toda a gente sabe que o povo português foi enganado pelos comunistas e socialistas. Nota para o facto de ter também se dirigido a Jardim, para agradecer, “do fundo do coração” o trabalho feito em prol do povo madeirense. “Tenho muita honra em pertencer à geração que começou com ele e que continua o seu trabalho Garantiu ainda apoio absoluto a Rui Rio, “contra a esquerdalhada que continua a atrofiar o nosso país, que não cresce economicamente, a esquerda que não ganhou as eleições vai empobrecendo o país”. A concluir, refere que o PSD Madeira vai continua o trabalho de mobilização em todas as freguesias, explicando a “tragédia que seria a Madeira nas mãos da geringonça”, comparando esse facto com “o que aconteceu na Venezuela em que foi a esquerda a destruir um país riquíssimo”.