Alexandra esgota último dia do ‘Fado Funchal’ e revela enorme carinho pela Madeira

O ‘Fado Funchal’ terminou esta noite em grande, com a sala esgotada para ouvir Alexandra a cantar Amália, naquele que foi um dos concertos mais concorridos da segunda edição deste festival. Foram cinco dias a homenagear uma das músicas mais...

Alexandra esgota último dia do ‘Fado Funchal’ e revela enorme carinho pela Madeira
O ‘Fado Funchal’ terminou esta noite em grande, com a sala esgotada para ouvir Alexandra a cantar Amália, naquele que foi um dos concertos mais concorridos da segunda edição deste festival. Foram cinco dias a homenagear uma das músicas mais queridas do nosso país, que encerraram com um espetáculo repleto de emoção, mas em que a boa-disposição também imperou, com Alexandra a arrancar muitos risos da plateia.   “Amália era uma pessoa que tinha dentro dela muita tristeza, mas, apesar disso, tinha uma frase muito gira que eu dizia no musical, que era, ‘eu não sou feliz, mas sou bem-disposta’”, começou por recordar a cantora, que já a homenageia há duas décadas. A esse respeito, lembrou que foi na Madeira, no Centro de Congressos, que estreou o musical ‘Amália’, em 1999, e que mudou a sua carreira. “Foi aqui, na Madeira, que nós estreámos esse grande musical, que se veio a tornar o maior êxito de teatro no nosso país”, congratulou-se. “Fiz esse musical diariamente, durante três anos e meio, quase quatro, só folgava à segunda-feira, e que me deu um prazer enorme e fez com que eu descobrisse a Amália, fez com que eu descobrisse o fado, porque eu não cantava fado, lembram-se”, perguntou, ao público. “A Amália fez com que eu fizesse uma viragem muito grande na minha carreira e foi aqui que realmente começou, em 1999. Tivemos o prazer de estrear aqui ‘Amália’ e, depois, como resultou e o público foi tão fantástico, o Filipe La Féria lembrou-se de fazer no Continente também, porque, inicialmente, não era para ser feito no Continente”, recordou. “Mas aqui foi tão bonito e o público acarinhou tanto esse musical e nós gostámos tanto de estar aqui aqueles dois meses, foi fantástico”, garantiu. Leia mais na edição impressa de amanhã.