Amazónia: Manifestações agendadas em várias cidades brasileiras

O aumento da desflorestação e dos incêndios na Amazónia levou a que protestos fossem convocados em pelo menos 40 cidades brasileiras para hoje, prolongando-se durante o fim de semana, de acordo com a imprensa local. Ao longo do dia de hoje...

Amazónia: Manifestações agendadas em várias cidades brasileiras
O aumento da desflorestação e dos incêndios na Amazónia levou a que protestos fossem convocados em pelo menos 40 cidades brasileiras para hoje, prolongando-se durante o fim de semana, de acordo com a imprensa local. Ao longo do dia de hoje esperam-se manifestações nas cidades de São Paulo, Santos, Rio de Janeiro, Curitiba, Salvador e Atalanta. Num evento criado na rede social facebook, denominado "Manifestação SOS Amazónia - Ato Urgente", cerca de 12 mil pessoas confirmaram presença nos protestos a terem lugar na Avenida Paulista, no centro da maior cidade do Brasil, a partir das 18:00 (22:00 em Lisboa). Também várias cidades europeias estão a ser palco de protestos por aquela que é a maior floresta tropical do mundo. Dezenas de pessoas manifestaram-se hoje à tarde em frente à embaixada do Brasil em Paris para pedir ao Governo brasileiro que trave o incêndio que consome a Amazónia há mais de duas semanas. Os gritos em frente à embaixada do Brasil em Paris, que se situa no 8º bairro, perto dos Campos Elísios, variavam entre "Bolsonaro criminoso" e "G7 não presta", com muitos cartazes em português e em francês que chamavam a atenção para a destruição que os incêndios estão a provocar na Amazónia. A manifestação foi convocada pela organização Youth for Climate Paris e outras organizações que defendem o ambiente em França, contando com a participação de franceses e brasileiros reunidos por esta causa comum. O mesmo aconteceu em Barcelona, Espanha, com cerca de duzentas pessoas a manifestaram-se diante do consulado brasileiro naquela cidade, para denunciar a falta de ação política nos incêndios florestais na Amazónia. Enquanto decorrem protestos a favor da proteção da região amazónica, o Governo brasileiro divulgou um comunicado em que minimizou as dimensões dos incêndios, declarando que os fogos "não estão fora de controlo" e que a maioria se encontra no "nível mais baixo" de emergência. No documento intitulado "nove factos sobre os incêndios na Amazónia", o executivo brasileiro defende que todos os anos ocorrem incêndios florestais no Brasil, e que o país está, precisamente, a atravessar "o período crítico de ocorrência de queimadas". A informação deste comunicado colide com outros dados também divulgados. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais brasileiro (Inpe) informou que o número de incêndios no Brasil aumentou 83% este ano, em comparação com o período homólogo de 2018, com 72.953 focos registados até 19 de agosto, sendo a Amazónia a região mais afetada. A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e possui a maior biodiversidade registada numa área do planeta. Tem cerca de 5,5 milhões de quilómetros quadrados e inclui territórios do Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e Guiana Francesa (pertencente à França). Ainda segundo o Inpe, a desflorestação da Amazónia aumentou 278% em julho, em relação ao mesmo mês de 2018.