“Angola não está nada preparada para este tipo de surto”

Nuno Martins, nasceu em Angola, mas é madeirense pois os seus pais “nasceram e vivem na ilha da Madeira”. Ao JM afirmou que a situação no país “é preocupante”. Como contou ao nosso Jornal, está em Angola, na capital de Luanda, desde janeiro de 2009 e trabalha na área de vídeo e áudio visual. Segundo o mesmo, o regresso a Angola deu-se graças a um convite de uma empresa que se chama Valentim de Carvalho. “Na altura iam abrir um projeto novo cá em Angola, uma estação de televisão a TV Zimbo e então convidaram-me para dar formação cá aos Locais”. Nuno Martins falou sobre a “nossa” ilha, o madeirense diz sentir “saudades da ilha da Madeira”, uma vez que, segundo o mesmo, “a minha família toda vive na Madeira, tenho saudades dos meus pais e do meu irmão”. Nuno Martins vai mais longe e elogia o arquipélago em pleno oceano Atlântico plantado. “Claro, a ilha é a pérola do Atlântico e gosto de passar aí algum tempo. Visito a ilha duas a três vezes por ano”. Em relação à situação do país, o profissional na área do audiovisual não é muito otimista. “A situação cá em Angola é preocupante, foi declarado o estado de emergência. Não podemos sair à rua, apenas para comprar alguns bens essenciais para nós. Ficamos nas nossas casas e tentamos ao máximo nos proteger”. O cidadão radicado na capital angolana alerta que “apesar da situação estar ainda a começar, é necessário proteger-se senão pode acontecer como está a acontecer na Itália”. Nuno Martins desenvolve o assunto e explica-nos a sua preocupação. “A Angola não está nada preparada para este tipo de surto, até porque diariamente morrem mais pessoas à fome e por outras doenças como a Malária”. Sentindo-se muito apreensivo “não estamos nada preparados, não temos condições, apesar de estarmos a tentar fazer o máximo”. Leia a entrevista na íntegra na edição impressa desta terça-feira do seu JM.

“Angola não está nada preparada para este tipo de surto”
Nuno Martins, nasceu em Angola, mas é madeirense pois os seus pais “nasceram e vivem na ilha da Madeira”. Ao JM afirmou que a situação no país “é preocupante”. Como contou ao nosso Jornal, está em Angola, na capital de Luanda, desde janeiro de 2009 e trabalha na área de vídeo e áudio visual. Segundo o mesmo, o regresso a Angola deu-se graças a um convite de uma empresa que se chama Valentim de Carvalho. “Na altura iam abrir um projeto novo cá em Angola, uma estação de televisão a TV Zimbo e então convidaram-me para dar formação cá aos Locais”. Nuno Martins falou sobre a “nossa” ilha, o madeirense diz sentir “saudades da ilha da Madeira”, uma vez que, segundo o mesmo, “a minha família toda vive na Madeira, tenho saudades dos meus pais e do meu irmão”. Nuno Martins vai mais longe e elogia o arquipélago em pleno oceano Atlântico plantado. “Claro, a ilha é a pérola do Atlântico e gosto de passar aí algum tempo. Visito a ilha duas a três vezes por ano”. Em relação à situação do país, o profissional na área do audiovisual não é muito otimista. “A situação cá em Angola é preocupante, foi declarado o estado de emergência. Não podemos sair à rua, apenas para comprar alguns bens essenciais para nós. Ficamos nas nossas casas e tentamos ao máximo nos proteger”. O cidadão radicado na capital angolana alerta que “apesar da situação estar ainda a começar, é necessário proteger-se senão pode acontecer como está a acontecer na Itália”. Nuno Martins desenvolve o assunto e explica-nos a sua preocupação. “A Angola não está nada preparada para este tipo de surto, até porque diariamente morrem mais pessoas à fome e por outras doenças como a Malária”. Sentindo-se muito apreensivo “não estamos nada preparados, não temos condições, apesar de estarmos a tentar fazer o máximo”. Leia a entrevista na íntegra na edição impressa desta terça-feira do seu JM.