Associação Berardo vai contestar arresto de obras de arte na segunda-feira

A Associação Coleção Berardo (ACB), proprietária das obras de arte do empresário José Berardo, vai contestar de hoje a uma semana o arresto de cerca de 2.200 peças, disse à agência Lusa fonte próxima do colecionador. A ACP "vai ser ouvida em...

Associação Berardo vai contestar arresto de obras de arte na segunda-feira
A Associação Coleção Berardo (ACB), proprietária das obras de arte do empresário José Berardo, vai contestar de hoje a uma semana o arresto de cerca de 2.200 peças, disse à agência Lusa fonte próxima do colecionador. A ACP "vai ser ouvida em tribunal e, nessa altura, será o juiz a decidir se o arresto será levantado ou é mantido", disse a mesma fonte sobre este processo interposto pelo Novo Banco, CGD e BCP, para recuperar uma dívida superior a 962 milhões de euros. Na última sexta-feira, o Jornal Económico noticiou que a associação tinha sido notificada da finalização do arresto das obras de arte, cerca de mil, das quais 862 no Centro Cultural de Belém (CCB), e as restantes 1.200 do jardim Bacalhôa Buddha Eden, no Bombarral, e na Aliança Underground Museum, museu nas caves Aliança-Vinhos de Portugal, em Aveiro. "As obras foram apenas referenciadas para o arresto. Elas continuam no mesmo sítio", indicou a mesma fonte à Lusa. As obras arrestadas no CCB estão ao abrigo do acordo estabelecido em 2006 entre o Estado português e o comendador José Berardo para a exibição da coleção de arte moderna e contemporânea no CCB.