BE defende "pequenos negócios" do Porto Santo

O Bloco de Esquerda, em campanha no Porto Santo, diz que é preciso "defender os pequenos negócios da ilha, a produção local, reabrir as águas do Porto Santo, combater o modelo 'tudo incluido' - colocar os interesses dos porto-santenses acima...

BE defende "pequenos negócios" do Porto Santo
O Bloco de Esquerda, em campanha no Porto Santo, diz que é preciso "defender os pequenos negócios da ilha, a produção local, reabrir as águas do Porto Santo, combater o modelo 'tudo incluido' - colocar os interesses dos porto-santenses acima dos lobis". A candidatura liderada por Paulino Ascenção, considera que o "isolamento do Porto Santo está de mal a pior". "Miguel Albuquerque quis ficar com os assuntos do Porto Santo, mas pouco mudou no seu Governo, o isolamento, a sazonalidade não melhoraram, quanto o domínio dos grupos Sousa e Pestana na ilha só piorou", afirmam. Na opinião dos bloquistas, "o Porto Santo está refém dos interesses dos grupos Sousa e Pestana que viram o seu poder reforçado neste mandato, com a concessão do Penedo do Sono e o licenciamento de novos hotéis". "A abertura de um novo Pingo Doce, com área de restauração incluída pode ser interessante para os visitantes, mas vai arrasar as condições de subsistência de bares e restaurantes locais, fazer diminuir o emprego. Foi o PSD, por mero capricho dos governantes que destruíram as Águas do Porto Santo que criava empregos e riqueza na ilha. Não há matadouro nem lota na ilha, não há interesse em proteger a produção própria, para trazer tudo de fora e aumentar os fretes marítimos", sustentam. O BE considera que "o Porto Santo está cada vez mais dependente de factores externos e de agentes privados. A ilha empobrece é as pessoas vão embora. Albuquerque chamou a si o pelouro Porto Santo para proteger os lobís, não os porto-santenses".