Bombardeamento a um hospital na Líbia faz três mortos e oito feridos

Pelos menos três pessoas morreram e oito ficaram feridas no sábado, na sequência de um bombardeamento a um hospital civil de Tripoli, capital da Líbia, informaram fontes oficiais. Segundo um porta-voz do Ministério da Saúde do governo reconhecido...

Bombardeamento a um hospital na Líbia faz três mortos e oito feridos
Pelos menos três pessoas morreram e oito ficaram feridas no sábado, na sequência de um bombardeamento a um hospital civil de Tripoli, capital da Líbia, informaram fontes oficiais. Segundo um porta-voz do Ministério da Saúde do governo reconhecido pela ONU, citado pela agência Efe, o centro médico, que fica situado na estrada que faz a ligação ao aeroporto, foi atingido por vários projéteis A mesma fonte referiu que o ataque terá sido perpetrado pelas forças leais ao marechal Khalifa Haftar, que controlam o leste da Líbia. Contudo, esta situação não foi confirmada nem desmentida por fontes independentes nem por responsáveis afetos a Haftar. O bombardeamento ocorreu ao início da noite de sábado, depois de mais um dia de confrontos entre as milícias fiéis aos dois governos. O Exército Nacional Líbio avançou, em abril passado, com uma ofensiva contra Tripoli, sede do governo de acordo nacional líbio estabelecido em 2015 e reconhecido pela ONU. Leal ao marechal Haftar, o Exército Nacional Líbio é a maior e a mais bem organizada das muitas milícias que existem no território líbio e conta com o apoio do Egito, dos Emirados Árabes Unidos e da Rússia. No entanto, e nos últimos três meses, as forças de Haftar têm enfrentado uma forte resistência por parte de outras milícias informalmente alinhadas com o Governo reconhecido pela ONU e com sede em Tripoli, que conta com o apoio de países como a Turquia e o Qatar. Um balanço recente da Organização Mundial de Saúde (OMS) indicou que os confrontos entre as fações rivais na zona da capital líbia já mataram 1.048 pessoas, incluindo 106 civis, e feriram outras 5.558, das quais 289 civis. Bastião da revolução líbia de 2011, que ditou a queda do regime de Muammar Kadhafi, Bengazi foi num passado recente uma cidade particularmente afetada pela violência, atos que tinham como alvos, entre outros, representações diplomáticas e as forças de segurança.