Bombeiros de Santa Cruz já são Sapadores

Os bombeiros de Santa Cruz passaram hoje formalmente a Sapadores, sendo esta corporação a primeira na Região a começar a usufruir, de forma faseada, dos vencimentos previstos para aquela categoria profissional, informa nota da autarquia. Lê-se...

Bombeiros de Santa Cruz já são Sapadores
Os bombeiros de Santa Cruz passaram hoje formalmente a Sapadores, sendo esta corporação a primeira na Região a começar a usufruir, de forma faseada, dos vencimentos previstos para aquela categoria profissional, informa nota da autarquia. Lê-se na mesma nota que na cerimónia que decorreu esta manhã, o presidente Filipe Sousa “destacou que tudo fará para que os novos vencimentos sejam pagos integralmente até ao fim do mandato, em 2021, embora os contratos e a lei prevejam que essa atualização possa ser feita até 2025”. “O autarca sublinhou que esta medida tem grande impacto no Orçamento Municipal, coisa que quem faz as leis frequentemente esquece”, ressalta. No entanto, Filipe Sousa “reconhece que os bombeiros merecem todo o apoio e todas as condições de trabalho e valorização financeira. Aliás, lembrou que o atual executivo da Câmara Municipal de Santa Cruz colocou, desde setembro de 2013, a melhoria das condições de trabalho e ação dos Bombeiros como um dos seus principais objetivos de gestão”. Informa a mesma fonte que “cumprindo esta premissa, foram levadas a cabo uma série de medidas de valorização das condições de trabalho, de melhoria das infraestruturas e de aumento dos meios técnicos ao dispor da proteção civil municipal”. Refere ainda que no “âmbito desta política concertada, estava horizonte valorizar profissionalmente e em termos remuneratórios os nossos profissionais dos bombeiros, numa medida que consideramos essencial para dar melhores condições e reconhecer a honrosa missão de proteção da população, nomeadamente em situações de catástrofe”. “O plano de valorização remuneratória e das carreiras já estava em curso, quando a Presidência do Conselho de Ministros aprovou, no passado dia 2 de junho, o Decreto – Lei nº 86/2019, de 2 de julho,  pelo que urge agora adequar essa pretensão inicial com a lei em vigor”, recorda. “Deste modo, os contratos hoje assinados implicam a aplicação do previsto do Decreto-Lei nº 86/2019, nomeadamente no tocante à aplicação aos bombeiros municipais das categorias e remunerações previstas para os Bombeiros Sapadores, na redação dada pelo artigo 29º do DL 106/2002, de 13 de abril. Preveem ainda que o posicionamento remuneratório referido no diploma deve realizar-se até 1 de janeiro de 2025 (ou seja, concluído até 31 de dezembro de 2024), com atualizações anuais de pelo menos 15% da diferença entre a remuneração resultante da alteração de categoria e a remuneração correspondente à categoria que detém”, sublinha. Mais informa que em “Santa Cruz esta atualização remuneratória e de carreira passa a produzir efeito a partir do dia 1 de agosto de 2019Os bombeiros de Santa Cruz passaram hoje formalmente a Sapadores, sendo esta corporação a primeira na Região a começar a usufruir, de forma faseada, dos vencimentos previstos para aquela categoria profissional”. “Deste modo, os contratos hoje assinados implicam a aplicação do previsto do Decreto-Lei nº 86/2019, nomeadamente no tocante à aplicação aos bombeiros municipais das categorias e remunerações previstas para os Bombeiros Sapadores, na redação dada pelo artigo 29º do DL 106/2002, de 13 de abril. Preveem ainda que o posicionamento remuneratório referido no diploma deve realizar-se até 1 de janeiro de 2025 (ou seja, concluído até 31 de dezembro de 2024), com atualizações anuais de pelo menos 15% da diferença entre a remuneração resultante da alteração de categoria e a remuneração correspondente à categoria que detém”, sublinha. Mais informa que em “Santa Cruz esta atualização remuneratória e de carreira passa a produzir efeito a partir do dia 1 de agosto de 2019Os bombeiros de Santa Cruz passaram hoje formalmente a Sapadores, sendo esta corporação a primeira na Região a começar a usufruir, de forma faseada, dos vencimentos previstos para aquela categoria profissional”. Refere também que na “cerimónia que decorreu esta manhã, o presidente Filipe Sousa destacou que tudo fará para que os novos vencimentos sejam pagos integralmente até ao fim do mandato, em 2021, embora os contratos e a lei prevejam que essa atualização possa ser feita até 2025”. “O autarca sublinhou que esta medida tem grande impacto no Orçamento Municipal, coisa que quem faz as leis frequentemente esquece”, refere. No entanto, Filipe Sousa “reconhece que os bombeiros merecem todo o apoio e todas as condições de trabalho e valorização financeira. Aliás, lembrou que o atual executivo da Câmara Municipal de Santa Cruz colocou, desde setembro de 2013, a melhoria das condições de trabalho e ação dos Bombeiros como um dos seus principais objetivos de gestão”. Cumprindo esta premissa, “foram levadas a cabo uma série de medidas de valorização das condições de trabalho, de melhoria das infraestruturas e de aumento dos meios técnicos ao dispor da proteção civil municipal”, acrescenta. Ressalta que no “âmbito desta política concertada, estava horizonte valorizar profissionalmente e em termos remuneratórios os nossos profissionais dos bombeiros, numa medida que consideramos essencial para dar melhores condições e reconhecer a honrosa missão de proteção da população, nomeadamente em situações de catástrofe”. “O plano de valorização remuneratória e das carreiras já estava em curso, quando a Presidência do Conselho de Ministros aprovou, no passado dia 2 de junho, o Decreto – Lei nº 86/2019, de 2 de julho,  pelo que urge agora adequar essa pretensão inicial com a lei em vigor”, declara a autarquia. “Deste modo, os contratos hoje assinados implicam a aplicação do previsto do Decreto-Lei nº 86/2019, nomeadamente no tocante à aplicação aos bombeiros municipais das categorias e remunerações previstas para os Bombeiros Sapadores, na redação dada pelo artigo 29º do DL 106/2002, de 13 de abril. Preveem ainda que o posicionamento remuneratório referido no diploma deve realizar-se até 1 de janeiro de 2025 (ou seja, concluído até 31 de dezembro de 2024), com atualizações anuais de pelo menos 15% da diferença entre a remuneração resultante da alteração de categoria e a remuneração correspondente à categoria que detém”, acrescenta. “Em Santa Cruz esta atualização remuneratória e de carreira passa a produzir efeito a partir do dia 1 de agosto de 2019”, conclui.