Brexit: Oposição britânica desfavorável ao plano alternativo apresentado pelo governo

A oposição britânica manifestou-se hoje desfavorável ao plano alternativo para o ‘Brexit' apresentado na quarta-feira pelo Governo britânico, manifestando preocupação para o impacto na economia e no processo de paz na Irlanda do Norte. "As...

Brexit: Oposição britânica desfavorável ao plano alternativo apresentado pelo governo
A oposição britânica manifestou-se hoje desfavorável ao plano alternativo para o ‘Brexit' apresentado na quarta-feira pelo Governo britânico, manifestando preocupação para o impacto na economia e no processo de paz na Irlanda do Norte. "As propostas atuais prejudicariam toda a economia do Reino Unido, e especialmente a economia da Irlanda do Norte, e prejudicariam o Acordo [de paz] de Sexta-Feira Santa. As propostas são irrealistas e prejudiciais e serão rejeitadas em Bruxelas, nesta câmara e no país", avisou o líder do partido Trabalhista, Jeremy Corbyn, numa intervenção no parlamento. Corbyn falava após uma declaração do primeiro-ministro, Boris Johnson, para apresentar o plano, que inclui a criação de um zona regulatória comum entre a Irlanda do Norte e a vizinha República da Irlanda para facilitar a circulação de mercadorias como solução para romper o impasse do ‘Brexit'. Segundo o líder do principal partido da oposição, o processo de saída do Reino Unido da União Europeia deve ser prolongado para além do prazo de 31 de outubro "para uma negociação séria em relação de um acordo do tipo estabelecido pelo Partido Trabalhista", acrescentando que o resultado deve ser votado num referendo com a opção para o país permanecer na UE. A líder dos Liberais Democratas, Jo Swinson, apontou como principal problema a criação de infra-estruturas físicas de controle aduaneiro, junto ou afastadas da fronteira entre a Irlanda do Norte e a Irlanda, e o risco que tal representa para o processo de paz no território britânico. "Os planos dele foram denunciados como o pior de dois mundos", acrescentou, desafiando o primeiro-ministro a visitar a Irlanda do Norte e escutar as preocupações dos locais. Para o líder parlamentar do Partido Nacionalista Escocês (SNP), Ian Blackford, as propostas são "inaceitáveis, inviáveis e impossíveis de pôr em prática" e que são destinadas a "culpar a outra parte, neste caso a União Europeia" pelo fracasso das negociações. Boris Johnson reiterou considerar que estas propostas são "construtivas e razoáveis" e que refletem a determinação numa saída ordenada da UE através de um acordo. "Não representam tudo o que gostaríamos. Representam um compromisso. Mas permanecer prisioneiro das posições existentes é contribuir para o impasse ao invés de avançar", vincou. Boris Johnson espera que se sugam "para negociações rápidas em direção a uma solução no curto espaço de tempo que resta" e que os deputados se unam "no interesse nacional" para aprovar um acordo que seja concluído. Apesar das críticas da oposição, vários deputados eurocéticos do partido Conservador que antes rejeitaram o Acordo de Saída negociado com Bruxelas mostraram-se dispostos a aprovar um acordo com esta alternativa para o mecanismo de salvaguarda designado por ‘backstop'. Este consistia em criar um "território aduaneiro comum", abrangendo a UE e o Reino Unido, no qual não haveria quotas ou tarifas para produtos industriais e agrícolas que circulassem na ilha da Irlanda, mas eurocéticos e o Partido Democrata Unionista (DUP) da Irlanda do Norte questionaram a permanência do território britânico na união aduaneira europeia. "Estou bastante otimista porque, se a UE concordar com essas propostas, parece que o DUP as apoiaria e isso mudaria toda a química da maneira como o Partido Conservador pensa", afirmou o conservador Bernard Jenkin, em declarações hoje à BBC Radio 4.