“Câmaras não são tidas nem achadas nas medidas do Governo”, Ricardo Franco

Ricardo Franco, presidente da Câmara Municipal de Machico, denuncia ao JM uma total falta de coordenação e articulação com os municípios da Região em todas as medidas que o Governo Regional vai tomando. No caso específico da sua autarquia, mostrou-se indignado com as declarações, atribuídas a Pedro Ramos e hoje reproduzidas na pagina 5 do nosso jornal, de que o presidente da Câmara de Machico indicou a Quinta do Lorde. “É completamente falso, não fomos tidos nem achados nesta questão, tal como também sucede em relação ao Hotel D. Pedro”, regista Ricardo Franco. “Não fui consultado sobre esta matéria, nem eu nem o coordenador da Proteção Civil no concelho, Márcio Gouveia”, assegura. Neste diferendo, diz que, inclusive, em causa está o seu bom nome, não só perante a sua população, mas também junto da AMRAM, onde ele próprio havia denunciado essa falta de coordenação e quem lê as declarações do senhor secretário pensa que eu sou mentiroso”. Ricardo Franco aproveita a ocasião para lembrar que “ouvimos falar da situação [Quinta do Lorde] através da comunicação social, remetemos uma missiva a solicitar esclarecimentos ao Serviço Regional de Proteção Civil, e à Secretaria Regional da Saúde datada de 20 de março, e até hoje não recebemos qualquer resposta”. “É vergonhoso o que se está a passar”, insiste, constatando que “sou questionado perante a população e não sei o que se passa”, lembrando que “se acontecer alguma coisa, é o Serviço de Proteção Municipal que será chamado, sobre uma matéria em que não foi consultado”. De resto, generaliza esta escolha das unidades hoteleiras a todas as outras medidas,reiterando em “total falta de informação e coordenação entre o Governo e, tenho a certeza, com todas as autarquias da Região”.

“Câmaras não são tidas nem achadas nas medidas do Governo”, Ricardo Franco
Ricardo Franco, presidente da Câmara Municipal de Machico, denuncia ao JM uma total falta de coordenação e articulação com os municípios da Região em todas as medidas que o Governo Regional vai tomando. No caso específico da sua autarquia, mostrou-se indignado com as declarações, atribuídas a Pedro Ramos e hoje reproduzidas na pagina 5 do nosso jornal, de que o presidente da Câmara de Machico indicou a Quinta do Lorde. “É completamente falso, não fomos tidos nem achados nesta questão, tal como também sucede em relação ao Hotel D. Pedro”, regista Ricardo Franco. “Não fui consultado sobre esta matéria, nem eu nem o coordenador da Proteção Civil no concelho, Márcio Gouveia”, assegura. Neste diferendo, diz que, inclusive, em causa está o seu bom nome, não só perante a sua população, mas também junto da AMRAM, onde ele próprio havia denunciado essa falta de coordenação e quem lê as declarações do senhor secretário pensa que eu sou mentiroso”. Ricardo Franco aproveita a ocasião para lembrar que “ouvimos falar da situação [Quinta do Lorde] através da comunicação social, remetemos uma missiva a solicitar esclarecimentos ao Serviço Regional de Proteção Civil, e à Secretaria Regional da Saúde datada de 20 de março, e até hoje não recebemos qualquer resposta”. “É vergonhoso o que se está a passar”, insiste, constatando que “sou questionado perante a população e não sei o que se passa”, lembrando que “se acontecer alguma coisa, é o Serviço de Proteção Municipal que será chamado, sobre uma matéria em que não foi consultado”. De resto, generaliza esta escolha das unidades hoteleiras a todas as outras medidas,reiterando em “total falta de informação e coordenação entre o Governo e, tenho a certeza, com todas as autarquias da Região”.