Caracas denuncia violação do espaço aéreo por avião de espionagem norte-americano

O Comando Estratégico Operacional das Forças Armadas Bolivarianas da Venezuela (CEOFAN) denunciou este sábado que um avião de espionagem norte-americano violou o espaço aéreo venezuelano. Trata-se, segundo as autoridades venezuelanas, da terceira...

Caracas denuncia violação do espaço aéreo por avião de espionagem norte-americano
O Comando Estratégico Operacional das Forças Armadas Bolivarianas da Venezuela (CEOFAN) denunciou este sábado que um avião de espionagem norte-americano violou o espaço aéreo venezuelano. Trata-se, segundo as autoridades venezuelanas, da terceira violação registada em menos de um mês e constitui uma "franca ofensa" contra a Venezuela e o mundo. "Alerta. Hoje, mais uma vez, os aviões de espionagem dos EUA entraram indevidamente na Região de Informação de Voo (FIR, na sigla em inglês) sob o controle do nosso país, violando a segurança aeronáutica e os tratados internacionais", explica o CEOFAN na sua conta do Twitter. Segundo o CEOFAN "os EUA continuam em franca ofensa” contra a Venezuela e o mundo. "Respeitem este povo que, junto com as Forças Armadas Bolivarianas, quer paz", afirma a mensagem, que contém anexada o gráfico "violação de segurança, das operações aéreas, FIR de Maiquetía (norte de Caracas), de uma aeronave tipo EP-3E Aries II, dos EUA, no dia 27 de julho de 2019". Segundo o gráfico, pelas 09:40 horas locais (14:40 horas em Lisboa) os radares venezuelanos detetaram a aeronave, na FIR do Curaçau. No entanto, pelas 10:58 horas locais (15:58 horas em Lisboa) a aeronave entrou na FIR de Maiquetía, e os serviços de trânsito aéreo tentaram estabelecer contacto, sem obter resposta efetiva. "A aeronave continuou o seu voo dentro da FIR de Maiquetía e pelas 14:09 (19:09 horas em Lisboa), a aeronave EP-3E dos EUA, após vários padrões de voo durante três horas e 10 minutos, a uma distância de 60 milhas náuticas da Ilha [venezuelana] de Orchila, abandonou a FIR de Maiquetía, sem estabelecer comunicação alguma", explica. Segundo as autoridades venezuelanas a aeronave em questão deixou de aparecer no radar pelas 15:10 horas locais (20:10 horas em Lisboa). A 22 de julho último o ministro venezuelano de Comunicação e Informação da Venezuela, Jorge Rodríguez, denunciou que aviões norte-americanos de espionagem violaram 167 vezes o espaço aéreo venezuelano, desde janeiro último. Segundo Jorge Rodríguez 78 dessas violações foram registadas nos últimos três meses. Por outro lado, denunciou que o número de violações aumentou desde janeiro último, altura em que o líder opositor e presidente do parlamento, Juan Guaidó, jurou assumir as funções de presidente interino da Venezuela. A 21 de julho a Venezuela acusou os Estados Unidos de terem violado o espaço aéreo venezuelano com um avião militar enquanto Washington acusa uma aeronave das Forças Armadas Venezuelanas de se aproximar demasiado quando realizava uma missão em águas internacionais.