Carlos Pereira diz que a Madeira perdeu 1,5 mil milhões de euros com o empolamento do PIB entre 2000 e 2014

O candidato socialista à Assembleia da República, Carlos Pereira, disse hoje que a Madeira foi penalizada em 1,5 mil milhões de euros, entre 2000 e 2014, devido ao empolamento do PIB regional causado pela contagem do Centro Internacional de...

Carlos Pereira diz que a Madeira perdeu 1,5 mil milhões de euros com o empolamento do PIB entre 2000 e 2014
O candidato socialista à Assembleia da República, Carlos Pereira, disse hoje que a Madeira foi penalizada em 1,5 mil milhões de euros, entre 2000 e 2014, devido ao empolamento do PIB regional causado pela contagem do Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM). Carlos Pereira falava no arranque da conferência temática sobre as regiões ultraperiféricas, que decorre no Centro de Congressos da Madeira, no Funchal, cujo encerramento, previsto para as 20h00, contará com a presença do secretário-geral do PS, António Costa. No início do século, o peso do CINM no PIB regional foi estimado em mais de 20%, fazendo com a Madeira surgisse na estatística com um nível desenvolvimento semelhante à média da União Europeia, mas simultaneamente deixou a Madeira de fora de região de objectivo 1 - das mais pobres da Europa - causando um corte nas transferências financeiras nos quadros comunitários.  Apesar de sublinhar que não está contra o CINM, Carlos Pereira considera que esse PIB empolado, que pouco contribuiu para o real desenvolvimento regional, foi um “processo injusto para os madeirenses”, pois retirou uma verba significativa de apoios europeus.  Lamentou ainda que o assunto nunca tivesse estado na agenda regional nem na nacional, sublinhando que a perda desses 1,5 mil milhões de euros tem “rostos”.  Apesar desse empolamento já estar corrigido, o candidato socialista advertiu que há ainda trabalho a fazer para a equidade da distribuição das verbas no próximo quadro comunitário de apoio.  É que, segundo Carlos Pereira, no quadro vigente, os Açores estão a receber 1,5 mil milhões de euros de apoios comunitários, e a Madeira apenas 750 milhões de euros. “Não é justo”, sublinhou.  Antes, o presidente do PS-M, Emanuel Camara, defendeu um pacote de medidas para esbater as consequências da ultraperiferia, pois entre as diferentes regiões existem “diferenças significativas”.  Emanuel Camara sublinhou ainda que os ilhéus são tão europeus como quem vive no continente  “Quem vive no Porto Santo é tão português como é o madeirense e quem é madeirense é tão português como quem vive em Lisboa”, destacou.