Carlos Pereira pede mais força ao PS na Assembleia da República para lutar pelo aprofundamento da Autonomia

O cabeça de lista do PS às eleições legislativas nacionais pelo círculo eleitoral da Madeira esteve, esta manhã, em contactos de proximidade com a população na zona da Ajuda, no Funchal, ouvindo os seus anseios e dando a conhecer as propostas...

Carlos Pereira pede mais força ao PS na Assembleia da República para lutar pelo aprofundamento da Autonomia
O cabeça de lista do PS às eleições legislativas nacionais pelo círculo eleitoral da Madeira esteve, esta manhã, em contactos de proximidade com a população na zona da Ajuda, no Funchal, ouvindo os seus anseios e dando a conhecer as propostas do partido. Na ocasião, Carlos Pereira considerou que a Madeira precisa, de uma forma muito intensa, de reforçar os seus mecanismos de autonomia, ou seja, garantir que tem mais instrumentos para decidir o seu próprio destino. Uma matéria que admite não ser fácil, porque não é reconhecida de forma pacífica no plano nacional. Por isso, afirmou que "é absolutamente essencial que o PS possa reforçar a sua força» no Parlamento nacional, «para permitir que haja um largo consenso também na Assembleia da República para aprofundar a Autonomia da Madeira". "Nós já demonstrámos que, se estivermos fortes no Governo da República e tivermos uma boa representação parlamentar na Assembleia da República, é possível garantir que muitos dos dossiês da Madeira são aprovados", sustentou o candidato, frisando que "é preciso continuar a insistir na possibilidade de aumentar a força do PS-Madeira na Assembleia da República, para que também certos mecanismos que têm a ver com o aprofundamento da Autonomia possam ser de uma vez por todas concretizados". Carlos Pereira vinca que o PS é a força política que está mais bem preparada para defender os interesses da Região na Assembleia da República. "Se os madeirenses nos derem mais força, melhor fazemos esse trabalho, mais coisas boas conseguimos conquistar e este aprofundamento da Autonomia que eu considero que e decisivo é mais fácil de se fazer, com consequências positivas para a Madeira e para os madeirenses", rematou.