CDS alerta para ausência de nadadores-salvadores em Santa Cruz

"A ausência de nadadores-salvadores na zona de praia de Santa Cruz, entre o mercado local e a baía do porto de recreio, tem suscitado algumas interrogações dos muitos banhistas que nesta época do ano para ali se deslocam. Se é verdade que a...

CDS alerta para ausência de nadadores-salvadores em Santa Cruz
"A ausência de nadadores-salvadores na zona de praia de Santa Cruz, entre o mercado local e a baía do porto de recreio, tem suscitado algumas interrogações dos muitos banhistas que nesta época do ano para ali se deslocam. Se é verdade que a Câmara Municipal providenciou algum conforto, nomeadamente recuperando os guarda-sóis, instalando duches e passadiços para acesso ao mar, já em termos de segurança para quem vai a banhos há reparos que são feitos", refere Pedro Rodolfo Jorge, presidente de concelhia do CDS Santa Cruz. "A única zona contemplada com nadador-salvador é a Praia das Palmeiras, para leste do mercado local, sendo que toda a extensa área que é acompanhada do passeio marítimo, a partir do edifício do mercado municipal e até ao porto de recreio, deixa a segurança dos banhistas no mar à sorte de cada um. Em novembro de 2018 o Governo da República publicou legislação que transfere para as autarquias a gestão das praias, embora os municípios tenham de manifestar essa vontade. O referido diploma tem suscitado muitas dúvidas, mas enquanto a lei não é clarificada o CDS entende que as autarquias devem pugnar pela segurança dos banhistas. E é esse apelo que a concelhia do CDS vem fazer à JPP, até porque se o município fez investimentos na melhoria dos guarda-sóis, nos duches, acessos e  regularização do calhau é porque o próprio município assume essa necessidade, e assim sendo também deveria investir na segurança dos banhistas. O CDS reconhece que a segurança requer investimento financeiro, mas a vida das pessoas não tem preço.  Nesse sentido, e numa atitude de cooperação, a concelhia do CDS de Santa Cruz sugere à autarquia que em conjunto com as autoridades marítimas pondere pelo menos a hipótese de colocar, para eventuais situações de emergência, bóias de salvação nos dois cais e uma outra na baía do porto de recreio, até que sejam encontradas soluções mais sólidas.   Ainda sobre este assunto, o CDS Santa Cruz lamenta que este verão a Praia das Palmeiras continue sem o serviço de guarda-sóis e espreguiçadeiras para os banhistas, numa prova clara de perda de qualidade dos serviços que outrora eram prestados.  O presidente de concelhia do CDS, Pedro Rodolfo Freitas, acha que a Câmara tem obrigação de disponibilizar um melhor serviço e com isso poderia arrecadar receitas para o próprio município, optando pela gestão directa desse serviço ou atribuindo por concurso a privados, com receitas certas para a autarquia", acrescenta o comunicado enviado à imprensa.