CDS considera “descaramento” PSD vir pedir nova maioria absoluta

O CDS considerou, pela voz de Rui Barreto, um descaramento que ao fim de quatro anos que “foram uma desilusão”, o PSD vir pedir outra vez uma nova maioria absoluta. Paulo Barreto considerou ainda que Paulo Cafôfo “desiludiu e traiu os  madeirenses...

CDS considera “descaramento” PSD vir pedir nova maioria absoluta
O CDS considerou, pela voz de Rui Barreto, um descaramento que ao fim de quatro anos que “foram uma desilusão”, o PSD vir pedir outra vez uma nova maioria absoluta. Paulo Barreto considerou ainda que Paulo Cafôfo “desiludiu e traiu os  madeirenses e, em particular, os funchalenses, quando nas últimas eleições se candidatou à Câmara do Funchal, pedindo o voto para governar a cidade e dois meses depois de ganhar já estava a anunciar-se candidato às eleições regionais". O líder da oposição diz que "estas eleições não podem servir para tudo" e explicou onde quer chegar: "As pessoas estão cansadas de promessas e do dizer uma coisa hoje e fazer outra amanhã. Estas eleições são para discutir ideias e propostas. O CDS tem um programa próprio e daqui até ao final da campanha apresentará uma proposta por dia." Rui Barreto deixou um desafio aos restantes partidos. "Peço que discutam as ideias que têm para os próximos quatros anos e digam ao que vêm", referiu, para precisar: "O CDS é uma alternativa ao PSD e ao PS. O CDS não se revê nem no PSD nem no PS. O CDS tem um caminho próprio, vai sozinho às eleições. Fizemos 14 conferências temáticas em que ouvimos 50 especialistas que nos ajudaram a elaborar o programa de governo. O que queremos é que a força que o CDS vier a ter, seja a força necessária para por em prática as suas ideias. Os madeirenses têm uma escolha muito credível, que é o CDS." Rui Barreto continua a garantir que o seu partido é "confiável" e suporta as suas declarações em exemplos concretos. "Um partido que foi capaz no último Orçamento de fazer aprovar os passes sociais mais baratos, o IRC mais baixo, em Portugal, para as pequenas e médias empresas e um regime para ajudar a valorizar os produtos regionais junto de um governo com maioria absoluta, eu pergunto aos madeirenses que capacidade terá o CDS se um dia puder influenciar positivamente um governo a por em prática as propostas que tão bem defende", sublinhou.