Centro de Investigação da UMa promove encontro sobre os 10 anos após o 20 de fevereiro

Com o propósito de assinalar os 10 anos decorridos desde a aluvião de 20 de fevereiro de 2010, o Centro de Investigação em Estudos Regionais e Locais da Universidade da Madeira (UMa-CIERL) vai promover, no próximo dia 19, pelas 18h30, no auditório...

Centro de Investigação da UMa promove encontro sobre os 10 anos após o 20 de fevereiro
Com o propósito de assinalar os 10 anos decorridos desde a aluvião de 20 de fevereiro de 2010, o Centro de Investigação em Estudos Regionais e Locais da Universidade da Madeira (UMa-CIERL) vai promover, no próximo dia 19, pelas 18h30, no auditório da Reitoria da Universidade da Madeira, o encontro ‘(Des)Memória de Desastre. 10 Anos após o ‘20 de fevereiro de 2010’, cujo programa integra a apresentação do livro ‘(Dis)Memory of Disasters’. A ‘Multidisciplinary Approach’, com que o UMa-CIERL inaugura a coleção ‘Life Memory & Culture’, e a conferência ‘Translocal’ de Sara Bonati intitulada ‘Nas margens. Periferalidades nas áreas de risco’. Em formato bilingue, o livro (Dis)Memory of Disasters. A Multidisciplinary Approach/ | (Des)Memória de Desastre. Uma Abordagem Multidisciplinar reúne um conjunto de textos que resultam de comunicações apresentadas, em outubro de 2013 no ‘I Colóquio Internacional (Des)Memória de Desastre’, promovido no Funchal pelo UMa-CIERL, em parceria com o Centro de Estudos de Comunicação e Cultura da Universidade Católica Portuguesa (CECC-UCP), no âmbito do projeto ‘DMDM - (Des)Memória de Desastre? Cultura e Perigos Naturais, Catástrofe e Resiliência. Madeira, um caso de estudo’. O DMDM foi um projeto desenvolvido por esses dois centros de investigação entre 2012 e 2014, ano em que foi suspenso por falta de apoio, circunstância que também inviabilizou  a publicação do livro que só agora será apresentado.  Procurando discutir as implicações entre cultura, desastres (ditos) naturais, risco e resiliência, o DMDM contou com a colaboração interdisciplinar de investigadores de diversas áreas, assim como de vários artistas com vínculo à Madeira.  Em 2012, o DMDM constituiu, assim, na Madeira, uma inusitada abordagem à problemática dos desastres, tendo então sido levantadas várias hipóteses de trabalho inovadoras, que em alguns casos, porém, ficaram a aguardar melhores condições para poderem ser desenvolvidas. Sara Bonati, investigadora italiana do UMa-CIERL e membro da Comissão de Leitura da revista TRANSLOCAL. Culturas Contemporâneas Locais e Urbanas (editada em parceria pelo UMa-CIERL e a CMF), integrou a equipa do DMDM, tendo vindo, nos últimos anos, a desenvolver algumas das hipóteses de trabalho que a análise do caso Madeira (caso que, em comparação com o caso da região italiana de Cinque Terre, tomou como objeto de estudo na sua tese de doutoramento defendida na Universidade de Pádua em 2014) lhe começou por suscitar.  A conferência ‘Nas Margens. Periferalidades nas áreas de risco’ que Sara Bonati conduzirá no Funchal (ver resumo em anexo), logo após a apresentação do livro (Dis)Memory of Disasters. A Multidisciplinary Approach (de que é também co-editora, juntamente com Ana Salgueiro, Duarte Encarnação, Filipa Fernandes, Ilídio Sousa e Fábia Camacho Sousa), parte de alguns casos de estudo por ela investigados nos últimos anos, com o propósito de "analisar formas de periferalização que podem ocorrer em áreas de risco" e que, sendo muitas vezes "alimentadas por mecanismos para o desenvolvimento territorial e urbano",  "podem afetar as medidas de redução de risco", agravando a "vulnerabilidade dos territórios". Em alinhamento teórico-conceptual e metodológico, quer a edição do livro (Dis)Memory of Disasters. A Multidisciplinary Approach, quer a conferência ‘Nas Margens. Periferalidades nas áreas de risco’ de Sara Bonati procuram chamar a atenção para o relevante contributo que investigação nas áreas das Humanidades, das Ciências Sociais e das Artes podem constituir ora para o estudo dos fenómenos de desastre, ora para a conceção de mais resilientes respostas ao risco de desastre.