Chega faz balanço “muito positivo” e acredita eleger “mais do que" um deputado

O cabeça de lista do Chega às eleições legislativas regionais da Madeira, Miguel Teixeira, fez hoje um balanço “muito positivo” das ações de campanha, manifestando-se “convencido” de que o partido vai conseguir eleger “mais do que" um deputado....

Chega faz balanço “muito positivo” e acredita eleger “mais do que" um deputado
O cabeça de lista do Chega às eleições legislativas regionais da Madeira, Miguel Teixeira, fez hoje um balanço “muito positivo” das ações de campanha, manifestando-se “convencido” de que o partido vai conseguir eleger “mais do que" um deputado. “Estou convencido e, inclusive hoje já recebi outras informações, nós vamos eleger na Madeira e é possível que se consiga eleger mais do que uma pessoa, isso dá-me algum conforto”, afirmou o candidato do Chega, em declarações à agência Lusa, perspetivando que o partido, que tem pouco mais de dois meses, “vai crescer muito rapidamente”. Neste último dia de campanha eleitoral na Região Autónoma da Madeira, Miguel Teixeira destacou a “voz muito forte” do partido contra a corrupção e contra o compadrio, considerando que “é com isto que o Chega consegue chegar muito facilmente às pessoas”, que estão “fartas e cansadas” das “trafulhices de políticos”. “Queremos cortar com este sistema todo, que tem esmagado o país, esmagado o povo. Podíamos ser a Suíça da Europa, aqui na Madeira do Atlântico, e Portugal tem condições quase equivalentes como a Suíça, poderia ser um país tão bom quanto a Suíça e não está ser, porque há uma classe política aproveitadora, que tem esmagado o povo, tem-se aproveitado do povo, rouba o povo até ao fim, e eles andam completamente impunes na rua, e isto tem que terminar”, afirmou o cabeça de lista do Chega às eleições legislativas regionais da Madeira, agendadas para domingo, Com um balanço “muito positivo” das duas semanas de campanha eleitoral, o candidato do Chega disse que tem sido surpreendido com palavras de “força” e “parabéns” pelo projeto político. “’Precisamos de pessoas como você’, ‘precisamos de pessoas como o seu partido’, ‘conte com o meu voto’, tem sido isto uma constante”, contou Miguel Teixeira, após ter sido abordado por um popular, que se colocou à frente do carro onde seguia e, no meio da estrada, “com os braços no ar”, pediu para falar com o candidato. Durante a manhã de hoje, os candidatos do Chega andaram pela zona de Machico, onde foram “extremamente bem recebidos”. “Foi uma grande surpresa, andámos em toda a cidade de Machico e a interação connosco foi muito boa, foi uma surpresa muito agradável”, indicou o cabeça de lista do partido, realçando a presença do presidente do Chega, André Ventura, para a dinamização da campanha eleitoral. Depois do concelho de Machico, a campanha do Chega teve como “ponto forte” uma ação, na sede do PSD da Madeira, dirigida “aos políticos que têm subvenção vitalícia para renunciarem à subvenção”, à semelhança do que o partido tem feito em Lisboa. Classificando como “completamente inadmissíveis” as subvenções atribuídas, o cabeça de lista do Chega às eleições legislativas da Madeira referiu que este benefício abrange políticos do PSD e do PS, acrescentando que a escolha pela sede do PSD se justifica por ser o partido “que tem mais pessoas com subvenções vitalícias” e ressalvando que “é genérico o pedido, não é em relação a uma pessoa, mas a todos aqueles que recebem subvenções vitalícias, para que as renunciem pela Nação”. À tarde, o Chega vai fazer uma arruada pela cidade do Funchal, onde encerra as ações de campanha com um jantar na freguesia de São Roque.