‘Chega’ quer quarta República para Portugal

A ser eleito para a Assembleia da República, um dos primeiros princípios do Chega é “uma quarta República, com uma nova Constituição”. Palavras de Miguel Teixeira, líder regional e cabeça de lista pelo círculo da Madeira do partido ‘Chega’...

‘Chega’ quer quarta República para Portugal
A ser eleito para a Assembleia da República, um dos primeiros princípios do Chega é “uma quarta República, com uma nova Constituição”. Palavras de Miguel Teixeira, líder regional e cabeça de lista pelo círculo da Madeira do partido ‘Chega’ às eleições legislativas nacionais de 6 de outubro, durante a entrega da mesma lista, esta manhã, no Palácio da Justiça. Seguindo a mesma linha proposta a nível Regional, a redução do número de deputados na Assembleia da República para 100 elementos é outra ideia do Chega, que apoia ainda o “fim da ‘subsidiodependência’”, pois “as pessoas não têm de trabalhar para pagar pessoas que são vadias”, e ainda “obrigar a que os presos trabalhem”, porque “eles têm de pagar a sua estadia na cadeia pois têm de devolver à população todo o mal que fizeram”. Na ocasião, Miguel Teixeira alertou ainda para o “perigo” da regionalização de Portugal, algo que, a seu ver, permite o agravar da “corrupção desenfreada que tem vindo a assolar o País há 20 anos”. Durante esse período, os “roubos provocados por políticos e banqueiros a todos os portugueses, daria para uma geração não pagar impostos”, sustenta. “O voto no Chega vai direto para a ponta da espada da Justiça, Justiça essa que queremos impor em Portugal”, conclui.